EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

18 de Junho de 2019

Pescadores protestam e pedem mais segurança na Boca da Barra, em Itanhaém

Manifestação relembrou últimos acidentes, que deixaram 4 mortos, e pediu o desassoreamento do canal

Ao menos dez barcos pesqueiros se reuniram neste sábado (10), na Boca da Barra, em Itanhaém, para uma manifestação pacífica contra as condições de risco do local onde, na última semana, três pessoas morreram enquanto pescavam. 

Atracados na orla, pescadores exibiram cartazes pedindo o desassoreamento (retirada de areia) do Canal da Barra, com frases como: "SOS Barra de Itanhaém" e "Salvem o Canal da Barra, só assim salvaremos vidas". 

Segundo o representante dos pescadores, Guilherme Pochi, o protesto teve como objetivo chamar a atenção para os riscos de navegação naquela área, considerada muito rasa. "Estamos exigindo mais segurança. Podem (autoridades) adotar medidas para prevenir acidentes, como esses últimos que tiraram vidas". 

Em 16 de setembro, outro acidente matou um homem e feriu sete, após ondas de 2 metros terem atingido a embarcação em que pescavam. 

Ainda de acordo com Pochi, a Câmara Municipal de Itanhaém teria encaminhado um requerimento para um estudo prévio à construção de um molhe de pedras - obra de hidráulica marítima em que as pedras são usadas para proteger as embarcações do movimento das ondas, bem como a formação de bancos de areia.

"O grande problema é que o nosso canal é raso. Estamos pleiteando esse rocamento (colocação das pedras). A dragagem sabemos que não funciona, porque não resolveu". 

Prefeitura 

Em nota, a Prefeitura de Itanhaém informou que somente com recursos federais e a anuência dos órgãos ambientais de licenciamento seria possível realizar e executar o projeto de desassoreamento, o que também viabilizaria a entrada de embarcações maiores. 

Marinha do Brasil 

A Marinha do Brasil, por intermédio da Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP), lamentou os acidentes e se solidariza com a dor das famílias das vítimas.

A instituição ressaltou que "no cumprimento de sua tarefa de zelar pela segurança da navegação, empreende diariamente intenso programa de fiscalizações, além de ações de conscientização e prevenção de acidentes". 

Por fim, a Marinha informou que dois inquéritos foram instaurados para apurar as causas e responsabilidades dos acidentes mencionados.