EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

20 de Abril de 2019

Sidney Magal faz o sangue do público ferver hoje, no Mendes Convention Center

Cantor apresenta músicas clássicas da carreira e novidades do DVD "Bailamos"

Um homem feliz, agradecido e satisfeito com a carreira construída ao longo de mais de 50 anos. Em meio a esses sentimentos – e para celebrar a marca –, o amante latino, Sidney Magal, de 68 anos, traz novamente a Santos o show Bailamos, que será apresentado nesta sexta-feira (7), a partir das 22 horas, no Mendes Convention Center (Av. Francisco Glicério, 206, em Santos). 

Em 28 de outubro de 2018, o cantor romântico esteve no Teatro Coliseu com o mesmo espetáculo e proposta. Perguntado quando, de fato, completa meio-século nos palcos, ele surpreende. “A data é um assunto complicado. Comecei a cantar em televisão muito jovem, com 13 ou 14 anos, mas o grande público só passou a me conhecer de 40 anos pra cá. Se fosse contar nas pontas dos dedos, seriam 54 anos de carreira.” 

Com mais anos na estrada do que a comemoração indica, Magal relembra que teve receio de cair no esquecimento após o primeiro sucesso. “Nos anos 1960 era muito comum falar que o artista popular lançava disco de sucesso e depois morria na praia, que não durava mais de um ou dois anos. Portanto, para mim, isso é um marco”. 

Sobre o show no Mendes, o cantor afirma que trará músicas do DVD Bailamos, gravado em 2017, no Espaço das Américas, em São Paulo. Além, claro, de canções de outras épocas e artistas que prometem embalar e divertir os espectadores. 

“É quase impossível apresentarmos uma novidade por show, principalmente porque o público espera sempre pelos grandes sucessos. Faço algumas coisas diferentes em meio a um cenário interativo e participação de bailarinos. Presto homenagens a cantores bregas dos anos 1970, à Jovem Guarda, e canto em espanhol. Tento dar um colorido especial ao show.” 

E para quem acha que o amante latino não tem vasto repertório, aí vai o recado: “Não sou cantorzinho de uma música só. Esses 50 anos marcam um momento muito importante. Me dão credibilidade e gás (para continuar). É um trabalho consolidado”. 

Brincadeiras 

Sobre ser alvo de brincadeiras de comediantes e anônimos, Magal diz encarar tudo numa boa. Para ele, o importante é lembrarem do artista de forma respeitosa. “O (Marcelo) Adnet, o Stepan Nercessian e até o Tiririca, todos já me imitaram. Achei muito alto-astral, nunca foram ofensivos ou agressivos, são sempre carinhosos”. 

O cantor entende ser uma figura que marcou pela maneira de se vestir e pelas expressões. Ele admite entrar sempre na internet para procurar vídeos no YouTube. “É algo que só me dá orgulho. Caramba, as pessoas sabem quem é você, da carreira”. E continua: “Vejo as coisas mais loucas do mundo. São pessoas me imitando durante um churrasco, em casa, no Rio Grande do Sul, uma senhora vestida de Sandra Rosa Madalena, até uma turma no Morro do Alemão (Rio de Janeiro) batucando Meu Sangue Ferve por Você em ritmo de samba.” 

Renovação 

Apesar de ficar receoso com a reação dos fãs, Magal gravou com o rapper brasileiro Rincon Sapiência a música Um Brinde à Vida, por sugestão do filho. A faixa entrou no DVD Bailamos e hoje é apresentada nos shows. “Como não é conhecida do público, se torna uma novidade. Todos curtem, mas, por não estarem acostumados, fico com receio de não interagirem”. 

Não importa se a composição é nova, pois, em suas apresentações, o cantor vê o público jovem cada vez mais presente. “Tem gente de 14 e 15 anos que canta Sandra Rosa Madalena como se fosse uma música lançada ontem. Só que ela tem 40 anos”.

Projetos e convites 

O consagrado cantor explica que não costuma fazer planos e projetos. “Espero as coisas acontecerem. Só tenho certeza que farão um documentário da carreira, me convidaram para fazer um musical sobre a minha vida e um filme da minha história e do romance coma minha mulher, que é muito bonito. Isso tudo para 2019 ou 2020”. 

Planos, portanto, só esses. “Não gosto de pensar muito além disso. Em 2020 vou fazer 70 anos e costumo dizer aqui em casa: não sei até quando meu corpo estremece e não consegue parar, por enquanto é na música (Me chama que eu vou), mas pode chegar uma hora que seja no físico. Então não dá pra pensar muito adiante. Quero só curtir os louros das minhas vitórias”.

Serviço

Os ingressos para o show de Sidney Magal custam entre R$ 50 e R$ 200 e podem ser adquiridos na bilheteria do Mendes Convention ou por meio do site