EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

22 de Setembro de 2019

Festa 61 segue com espetáculos até sábado

Atividades estão distribuídas pelos quatro cantos de Santos

A 61ª edição do Festival Santista de Teatro, o Festa, segue até sábado (7), levando espetáculos regionais, estaduais e nacionais pelos quatro cantos da Cidade.

Um deles, 'Arrumadinho', da trupe santista Olho da Rua, será encenado sexta-feira (6), às 21 horas, na Praça dos Andradas, no Centro. A apresentação faz parte da Mostra Regional, junto de outras seis peças.

“'Arrumadinho' é uma experiência cênica, uma revista épica-urbana, que aborda todo o mundo do trabalho”, resume Caio Pacheco, integrante da trupe.

Criado em 2008, o espetáculo sofreu algumas modificações para se manter atual. “Recentemente, questões ligadas às mídias sociais e à reforma da Previdência foram alinhadas à proposta da peça”, revelou Pacheco.

A Olho da Rua surgiu em 2002 e realiza seus ensaios na própria Praça dos Andradas. “Achamos importante esse movimento de ensaiar em um espaço público, porque sempre temos pessoas nos assistindo e conseguimos ver as reações. Isso mantém nossos espetáculos vivos”, destaca o artista, valorizando o teatro de rua.

Para Pacheco, participar de um festival é vivenciar todas as experiências. “Estar nesse meio já está sendo uma grande alegria. A troca com os outros grupos, independente deles serem ou não da Baixada Santista, tem sido maravilhosa”, garante, ao convidar a todos para assistir à apresentação.

O Berro do Povo

Diretamente relacionado à vida e às obras de Plínio Marcos (1935-1999), o tema desta edição foi definido por conta da semelhança entre aquilo que o escritor, ator e diretor santista apontava e o atual contexto histórico do País. “Além disso, é também uma forma de relembrar algumas censuras que aconteceram no período da ditadura, como ao texto 'Barrela', que está completando 60 anos”, explica Raquel Rollo, coordenadora do Festa 61.

Raquel, que também é atriz, não vê mudanças significativas nos aspectos apresentados por Plínio Marcos, mesmo após tantos anos. “Quantos casos de estupro, de abandono de menores, de pessoas que moram em condições precárias... A gente passa pelo Mercado Municipal, pela Rua Amador Bueno, pela Perimetral e vê, de perto, as personagens retratadas por ele”, avalia ela, que reforça o convite para o público prestigiar o festival, cuja programação completa está no blog do Movimento Teatral da Baixada Santista.