EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

16 de Outubro de 2019

Um passeio turístico com aquarela nas ruas

Projeto santista é contemplado no Proac

Fazer com que as pessoas vejam no cotidiano a vitalidade do Centro Histórico de Santos, percebam seus prédios, conheçam as histórias por trás das edificações e valorizem a região. Esse é o conceito do projeto 'Postais Culturais', da artista Letícia Passarelli Verde, que acaba de ser aprovado no Programa de Ação Cultural (Proac), do Governo do Estado.

A ideia da estudante de arquitetura é retratar em cerca de 40 aquarelas locais como a Igreja do Valongo, a antiga estação Santos Jundiaí, a Cadeia Velha e o Museu de Arte Sacra em algumas de suas obras.

Além da exposição, que terá monitoria contando um pouco da história dos lugares retratados e que deve ficar pronta para o início do ano, Letícia também deve dar oficinas de aquarela para os interessados.

O projeto alcançou a maior nota entre os selecionados de artes plásticas do Estado, com 9,8 pontos. “Fiquei muito feliz e foi a maior surpresa a boa colocação. Não esperava”, confessa Letícia, que teve apoio da equipe do Museu de Arte Sacra, onde faz estágio, para participar do Proac.

Para desenvolver o projeto, que terá todas as atividades gratuitas ao público, Letícia deve receber R$ 48.450,00.

Outro projeto

Na lista divulgada pela Secretaria de Estado da Cultura e Economia Criativa, consta também um espetáculo selecionado no edital para produção e temporada de espetáculos inéditos para o público infanto-juvenil, que ficou em segundo lugar na colocação geral. É a peça 'As Histórias da Vovó Ambrosina', da Cia Anima Lenda.

Mas, apesar do grupo teatral se inscrever no Proac pela cidade litorânea, há alguns meses seus integrantes deixaram a região rumo ao interior e a peça não deve ser apresentada aqui. “Este ano nós nos mudamos para Campinas porque nosso trabalho estava sendo fundamentalmente no interior. Não estamos conseguindo trabalhar muito no litoral pela falta de oportunidade que temos na região”, explica Kely de Castro, diretora e fundadora da Anima Lenda. Apenas uma integrante do grupo continua em Itanhaém.

Justamente por essa mudança, Kely ainda não comemora a conquista do incentivo do Proac. “Não sabemos se nossa documentação será aceita por conta desta mudança. Temos que ver toda essa questão burocrática primeiro”, afirma.

Record de inscrições

Os próximos seis editais do Proac a serem divulgados até o começo de outubro também têm projetos da região inscritos.

São 43 projetos que aguardam o resultado da seleção, nas categorias de circulação de espetáculos de dança, circulação de espetáculos para o público infanto-juvenil, gravação de obras inéditas e realização de shows de lançamento, produção e circulação de espetáculos circenses, circulação de espetáculos de teatro e produção e temporada de espetáculos inéditos de dança. Só para o edital de gravação e realização de shows, há 20 projetos inscritos.

De acordo com o Governo do Estado, o programa de fomento direto bateu recordes histórico de inscrições, com 7.474 projetos concorrendo ao apoio este ano, 1.886 amais que em 2018. Um dos motivos apontados pelo Poder Público para esse crescimento da procura dos artistas é a desburocratização para facilitar o acesso ao programa.

“Reduzimos muito o tamanho dos regulamentos, sem perdas do ponto de vista do controle. Em média, havia 20 páginas e passou para 5. Tiramos o que era desnecessário ou redundante. Era muita burocracia sem sentido”, afirma o secretário de Estado da Cultura e Economia Criativa Sérgio Sá Leitão.

Ele aponta ainda outros dois fatores para o aumento da participação dos artistas: fazer com que 50% dos recursos fosse para projetos de fora da capital e criar um piso para que 20% dos contemplados fossem de artistas iniciantes.