Tecnologia: casas conectadas mudam a vida dos moradores

Eletrodomésticos vão compreender e se adaptar aos hábitos das pessoas

Por: Júnior Batista  -  06/11/21  -  19:39
 Segundo a Oracle, há mais 7 bilhões de dispositivos de internet das coisas conectados no mundo, com expectativa de crescimento para 22 bilhões no próximo ano
Segundo a Oracle, há mais 7 bilhões de dispositivos de internet das coisas conectados no mundo, com expectativa de crescimento para 22 bilhões no próximo ano   Foto: Imagem ilustrativa/Pixabay

O futuro da construção civil vai desde materiais com novas funções e mais sustentáveis até casas conectadas e inteligentes que não só executem atividades automatizadas, mas também compreendam seus moradores, a ponto de aprender rotinas e adaptar-se a elas.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


Especialistas do setor ouvidos por A Tribuna dizem que a automação com aparelhos ou objetos que obedecem 'regras' e fazem atividades automaticamente, não são mais novidade. Daqui para frente, a pesquisa é para saber de que forma sua casa poderá adaptar a rotina para, por exemplo, na hora de um banho o chuveiro entender quem está no ambiente, como está o clima, se é dia ou noite e fazer uma adaptação para que a água esteja na temperatura perfeita.


“A automação funciona por regras. A descoberta de padrões não necessariamente está ligada às regras. Em um sistema de consumo, como aplicativos que reproduzem música, por exemplo, serve para recomendação. Estamos falando realmente de eletrônicos verdadeiramente inteligentes e que entendam o usuário”, diz Rafael Simionato, cientista de dados do Instituto de Ciência e Tecnologia Sidi, de Campinas.


Tudo isso será possível, explica ele, a partir de uma tecnologia que já existe: os sensores. São eles que percebem e reconhecem ambientes, objetos e pessoas.


Eles são utilizados de maneiras simples, como quando se clica no controle remoto para ligar a TV, e o sensor presente no controle se conecta ao da televisão, fazendo-a ligar, até no reconhecimento humano, por presença, olhos ou o rosto.


“Quando pensamos numa casa conectada, inteligente, não é apenas com conexão. O lar vai se transformar de acordo com a usabilidade de quem lá mora. Além disso, os dispositivos eletrônicos vão trazer, com ele, eficiência de consumo, seja energético ou hídrico”, diz Simionato.


Segundo o cientista, uma pesquisa da Oracle, multinacional de tecnologia americana, aponta que há mais 7 bilhões de dispositivos de internet das coisas (IoC – ou IoT, em inglês) conectados no mundo, com expectativa de crescimento para 22 bilhões no próximo ano. IoC são objetos comuns, como os de casa, conectados à internet.


Logo A Tribuna