Tempo frio pode piorar a dermatite atópica; saiba o que fazer

A doença traz coceira e pode descamar a pele, gerando desconforto

Banhos quentes, janelas e portas fechadas por mais tempo são comuns no inverno. Mas essas rotinas aumentam crises de uma doença que tem uma prevalência de cerca de 13%: a dermatite atópica.

Ela não tem cura, mas precisa de acompanhamento constante. É uma doença de pele crônica e inflamatória, que se manifesta em ciclos recorrentes de coceira, dor e lesões descamativas.

Valéria Aoki, professora do Departamento de Dermatologia Faculdade de Medicina USP diz que existem algumas medidas para evitar a piora.

“O tratamento básico deve ser hidratação (restauração da barreira) e anti-inflamatórios tópicos (corticóides ou imunomoduladores), educação com relação ao tratamento e evitar desencadeantes (alérgenos ambientais e estresse emocional). Em casos graves, podem ser necessários tratamentos sistêmicos (imunossupressores, fototerapia)”, explica.

Tudo sobre: