EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

25 de Junho de 2019

Só no Brasil o Dia dos Namorados é comemorado em 12 de junho; como explicar?

Na contramão do resto do mundo, o Brasil comemora o Dia dos Namorados em 12 de junho. Você imagina qual é a explicação para isso?

Em Londres (Inglaterra), Nova Iorque (EUA), Angola, só para citar algumas cidades, milhares de apaixonados comemoram em 14 de fevereiro o Valentine’s Day (ou Dia de São Valentim), como a data mais romântica do ano é chamada em todo mundo. Só aqui é diferente. Como explicar isso? A primeira hipótese – a de que o brasileiro é do contra – obviamente está descartada. A mais popular é que a mudança no calendário, para 12 de junho, teria sido para aproximar do Dia de Santo Antônio, festejado em 13 de junho.

Faz sentido para os namorados, afinal é forte a crença popular de que o santo nascido em Lisboa (Portugal), além de padroeiro dos humildes, ajuda a todos em seu desejo de casar – ou, pelo menos, de encontrar um amor para chamar de seu. São famosas as simpatias e orações a ele, que é, sem dúvida, um dos santos mais amados por brasileiros e portugueses. E é verdade que o Santo Antônio de Lisboa, também chamado de Santo Antônio de Pádua, nasceu em 15 de agosto. No entanto, as homenagens ficam para o dia de sua morte, 13 de junho de 1231, em Pádua (Itália).

Beijos e troca de presentes

“Mesmo correndo o risco de acabar com o romantismo, preciso dizer que o motivo [da data] tem pouco a ver com o significado religioso, e muito mais com o comercial. A ideia veio do publicitário João Doria, pai do atual governador, para ‘aquecer’ as vendas em junho, mês considerado morno demais no setor de varejo”, esclarece Onildo Cantalice, economista especializado em Inteligência de Mercado e mestrando em Comportamento do Consumidor na ESPM.

Na época, Doria tinha uma agência de propaganda que fora contratada pela loja de moda Exposição Clipper. Inspirado no sucesso de vendas do Dia das Mães, quis inventar nova chance de troca de presentes para o mês seguinte. “Não é só com beijos que se prova o amor!”, dizia um slogan do primeiro Dia dos Namorados brasileiro. “Não se esqueçam: amor com amor se paga”, afirmava outro slogan. A publicidade chegou a ser julgada a melhor daquele ano (1949) pela Associação Paulista de Propaganda.

Jeito próprio

O publicitário Luiz Buono, dono da agência de comunicação Fábrica, partilha seu ponto de vista: “A celebração do Dia dos Namorados em 12 de junho é um grande exemplo da verve do brasileiro, que sempre encontra um jeito próprio de fazer as coisas. Por que seguir a manada? Se junho é um mês fraco de vendas, a gente vai lá e inventa um dia para melhorar aquele cenário”.

Luiz acha ótimo esse casamento do útil ao agradável, referindo-se à comemoração religiosa próxima. “E por que não escolher como data a véspera da festa de Santo Antônio, o ‘santo casamenteiro’? Por essas e outras, o Brasil é um país criativo, original; e sua publicidade está entre as três mais premiadas da história do Festival de Cannes, o mais importante da publicidade mundial”, continua ele, que também é mentor da Endeavor, organização global de apoio ao empreendedorismo.

Caso o dinheiro esteja curto para presentes, que tal oferecer neste 12 de junho carinho e ótimo papo? “Um dos segredos para criar laços fortes e duradouros é a comunicação. Não existe outra maneira de o casal se conhecer e se entender de verdade. E se os dois viverem juntos aventuras [de qualquer tipo], jamais perderão a vontade de estar um com o outro”, opina a psicóloga Linda Papadopoulos, consultora e comentarista de vários programas de televisão e rádio na Inglaterra.

Um jeito lúdico e grátis de seguir os conselhos da psicóloga é brincando nesse dia mágico de “Em vez de...”. Exemplos: em vez de jantar de luz acesa, apagá-la e colocar velas na mesa; em vez de mandar tantas mensagens pelo WhatsApp, preferir o olho no olho; em vez de fazer atividade física em lugares diferentes, combinar de caminharem ou pedalarem no calçadão juntos.

Já quem quiser começar a namorar ainda em junho pode testar esta simpatia para Santo Antônio: coloque sete rosas em frente a uma imagem dele e reze pedindo um novo amor. Quando as pétalas secarem, leve a uma igreja bastante procurada para casamentos, como a Basílica Santo Antônio do Embaré.