Produtos de limpeza pet previnem doenças e ainda exterminam o coronavírus

Desinfetantes convencionais não são suficientes para eliminar alguns dos vírus e protozoários causadores de problemas a cães e gatos. Limpador específico ajuda no bem-estar da família e dos pets

Em tempos de coronavírus, todo mundo aprendeu a higienizar as mãos e os ambientes com álcool em gel 70%. Mas pouca gente lembra que os pets também precisam de uma desinfecção específica – não por conta da pandemia, mas pela prevenção de várias outras doenças. Afinal, há alguns parasitas comuns aos animais que não morrem com desinfetante ou água sanitária – produtos que até podem fazer mal a eles. Quem tem um pet em casa deveria apenas usar soluções à base de amônia quaternária, capaz de eliminar os causadores de diversas doenças, inclusive o coronavírus. 

Quem pesquisa o preço se assusta no início. Há várias marcas e o valor do litro do produto costuma variar entre R$ 55 e R$ 80. Mas o uso nunca é puro. A diluição leva entre 2 e 5ml para cada litro de água. No fim, cada embalagem rende no mínimo 200 litros – deixando o custo também diluído. 

Giuliana Petri, docente de Farmacologia e Toxicologia Veterinária na Universidade Metropolitana de Santos (Unimes), lembra que a giárdia, por exemplo, é um protozário que causa diarreia nos animais e não morre fácil. 

“Tem que passar a amônia quaternária no chão. É o mesmo produto que a gente usa nas clínicas veterinárias entre os atendimentos e no centro cirúrgico”.

Não é só a giárdia que não resiste à limpeza correta. Segundo a veterinária, o vírus da cinomose – doença altamente contagiosa que provoca problemas neurológicos – permanece nos ambientes por cerca de três meses. 

A parvovirose, que causa vômitos e diarreia com sangue, pode permanecer no ambiente até dois anos, mesmo após a saída do animal doente do local. Assim, ao se mudar de casa ou apartamento ou mesmo usualmente, o ideal é limpar o lar onde moram pets com os produtos específicos.

“Eu mesma, bem antes do coronavírus, já mantinha um pano molhado com a solução já diluída, sobre o meu capacho na entrada. Antes de entrar em casa, limpava os sapatos com esse produto, porque sempre trazemos sujeira da rua. E a giárdia, por exemplo, é zoonose. Passa do animal para a gente”, observa a veterinária. 

Alergias
Renato Capelo Saibun, especialista em dermatologia veterinária, conta que muitos animais alérgicos pioram os sintomas por conta dos produtos de limpeza comuns usados no dia a dia. Nesse caso, a substituição reduz os problemas.

“Tem que diluir corretamente para não causar toxicidade. Muita gente pensa que é o contrário, porque é um produto caro e forte, mas não”, diz ele, lembrando que depois de passar a solução já diluída no chão, não se deve enxaguar  o local. “E se combinar com outros produtos de limpeza, perde a eficácia”.

Se o animal tem casinha de tecido, roupas, costuma dormir na cama ou com almofadas, também vale colocar uma xícara da solução ja diluída na máquina de lavar, junto a lavagem desses itens. “E uma vez por mês é legal utilizar no pote de água e comida para lavar e afastar qualquer problema”, conclui Saibun.

Tudo sobre: