Tribuna do Leitor - 20 de outubro

Nesta terça-feira, participações da Ong dos amigos de Santos, Irinez Barbosa, Valter José Vieira, João Horácio Caramez, Marcelo de Mattos e Marciano Cameira

Queima de fogos

Após a notícia de que este ano não teremos a tradicional queima de fogos de artifício na orla da praia, recebemos muitos pedidos de apoio à iniciativa, não só pela pandemia, mas, principalmente, pela saúde de crianças e de animais domésticos. A queima de fogos, ruidosa, causa mal-estar às crianças mais sensíveis e aos animais. A fumaça resultante também incomoda e causa danos ambientais, segundo nos informaram. Até existe um projeto de lei que proíbe fogos de artifício com estampido. E a excessiva concentração de pessoas na orla da praia elevaria o risco de morte pela pandemia. Deste modo, sem queima de fogos, sem tendas na areia da praia e sem o Projeto Verão teremos mais tranquilidade, melhor qualidade de vida e mais saúde para toda a comunidade.
ONG DOS AMIGOS DE SANTOS

Mais seguro

Faço minhas as palavras do leitor Jonas Laurenny. Usava muito a bicicleta da Bike Santos para ir trabalhar ou voltar do centro. Algo quase impossível, uma vez que não há ciclovias direto para lá. Ou se usa a da perimetral ou se vai pela praia até a av. Ana Costa. Moro no BNH e já tentei fazer o trajeto que preciso pela bacia do Macuco, mas tem muito caminhão. Pela ciclovia da Afonso Pena até o canal 3 também não dá, é horrível. Enfim, as ciclovias precisam de manutenção e de ampliação para outras avenidas, como, por exemplo, para a Conselheiro Nébias. O trânsito de Santos é caótico. Acredito que seja um dos piores do estado. Agora, me aposentei e comprei uma bicicleta. Mas, às vezes, prefiro ir a pé. É mais seguro.
IRINEZ BARBOSA SANTOS - SANTOS

Mesma condição

Em fins de semana, nos reunimos na praia de Itararé para uma pelada. Após o jogo, independente do resultado, rola cerveja, churrasco e um papo descontraído. A conversa depois do último jogo foi sobre as eleições em São Vicente. A vila fundada por Martim Afonso de Souza foi elevada a condição de cidade, com a população acreditando em um futuro melhor e promissor. No entorno, Santos e Praia Grande que, com administrações bem sucedidas, foram se desenvolvendo em vários segmentos, como Educação, Arte, Cultura, Saúde, Turismo. São Vicente permaneceu na mesma condição. Sucessivos administradores que, por aqui passaram, sempre optaram pelo aumento de impostos, liderados pelo IPTU, um dos mais altos do país, sem nada oferecer. Se Martim Afonso retornasse, ficaria surpreso com tanta "dedicação" dos administradores em preservar o patrimônio ao longo do tempo. Agora, é com o vocês.
VALTER JOSÉ VIEIRA - SÃO VICENTE

Amor ao País

Em um país considerado potência mundial, muitas pessoas estão deixando de usar expressões rotineiras como bom dia, boa tarde, até logo e estão usando simplesmente amor ao País. Será que um dia nossos políticos nos deixarão ter orgulho de sermos brasileiros? A esperança é a última que morre, mas morre! "Honestidade é um presente caro, não espere isso de pessoas baratas" (Rodrigo de Abreu). Aos meus amigos, familiares e ao povo brasileiro, deixo meu cumprimento: amor ao País. Sempre!
JOÃO HORÁCIO CARAMEZ - SANTOS

Ignorância

Em 1807, antes de fugir com a corte para o Brasil, o príncipe regente D. João reinava em Portugal pois seu irmão mais velho, D. José, morrera de varíola. Embora já existisse a imunização vacinal, a rainha D. Maria I, sua mãe, por escrúpulos religiosos, não autorizou que o herdeiro natural do trono português fosse vacinado. Portanto, não nos surpreende a desinformação e o negacionismo intolerante no combate à pandemia da Covid-19. A recente manifestação do presidente da República, dizendo que "ninguém pode obrigar a tomar vacina" é uma forma de reiterar o recrudescimento omissão e negligência governamental no combate ao coronavírus, além de estimular os movimentos conservadores, contrários à saúde pública e imunização da população.
MARCELO DE MATTOS - SANTOS

Saudades

Nosso amigo se foi. Sentiremos saudades da sua presença sempre alegre, contagiando os que estavam perto. Era um cientista que estudava a língua inglesa. Descanse em paz, amigo!
MARCIANO CAMEIRA - SANTOS

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.