Tribuna do Leitor - 2 de junho de 2020

Na edição desta terça-feira (2), participações de Edison José de Aguiar, Sérgio dos Santos Silveira, Fábio Matias Gigante, Luiz Vinagre, Rubens Miranda de Carvalho e Claudio Lopes Perine

Fará falta

Com muita tristeza recebi a morte de Dimenstein, durante a leitura deste jornal. Grande ser humano, excelente jornalista, tendo sempre enorme preocupação com o bem-estar social da população. Sem dúvida, fará muita falta, principalmente no atual momento de frequentes ataques a nossa incipiente democracia.
Edison José de Aguiar - Cubatão

Números esclarecedores

A matéria "A tragédia expressa em números" me surpreende. É clara e indiscutível a gravidade da doença e o pouco caso das pessoas para lidar com isso. Não saio de casa há exatos 70 dias (tenho 72 anos e sou diabético). Talvez por isso tenha tido a paciência de anotar, diariamente, o número de óbitos na coluna de necrologia em A Tribuna, procurando compará-la com as mortes pela Covid-19. De 17 de março até 31 de maio foram, somente em Santos, 151 mortes pelo vírus e, pasmem, 1.114 falecimentos registrados pelo jornal, mais de 80% deles, de pessoas acima de 60 anos. Para mim, fica muito claro que pessoas idosas que mantinham seus tratamentos por diversas enfermidades, deixaram de fazê-lo com receio de se aproximar de um consultório, pronto socorro ou hospital. Falhamos em tudo, não só em abrir ou não abrir um comércio.
Sérgio dos Santos Silveira - Santos

Considerações

Li o texto Ode à Loucura, do sr. Elizeu Ferreira dos Santos, e venho fazer algumas observações. Até hoje, Sergio Moro não apresentou provas sobre suposta interferência do Executivo na PF, uma vez que o comando da PF fica submetido a Presidência da República. Diversas vezes, o Poder Judiciário interferiu em prerrogativas que cabem exclusivamente ao Poder Executivo, como em nomeações da Polícia Federal, Fundação Palmares e de outros órgãos. Isso se aplica também ao Poder Legislativo, que não aprovou importantes medidas provisórias, como a MP da liberdade econômica, que visa diminuir a burocracia estatal e a MP da carteirinha estudantil, que visa acesso gratuito a universitários de baixa renda. O sr. Elizeu proclama por impeachment baseado em quê, uma vez que não existem escândalos de corrupção no governo Bolsonaro? E importa também ressaltar que todo desarmamento, sem exceção, procede de uma ditadura. 
Fábio Matias Gigante - Santos

Questionamentos 

O leitor Elizeu Ferreira dos Santo, em seu texto Ode à loucura, mostra-se fervoroso defensor da corrupção e do partido que já conhecemos bem, principalmente, por terem perdido as regalias que tinham nos desgovernos anteriores. Nosso atual presidente é defensor da moralidade, da família, do bem público. Parem de chororô e se preparem para as Eleições em 2022. Procurem apresentar programa e brigar para voltar ao poder. Aproveito, também, para perguntar quem é fascista, ditador e autoritário? O presidente Bolsonaro ou aqueles do outro lado da Praça dos Três Poderes?
Luiz Vinagre - Santos

Admirador confesso

Neste domingo, Alcindo Gonçalves nos presenteou com mais uma das demonstrações de sua cultura e habilidade jornalística ao tratar do nascimento e efeitos do fascismo na Itália, na década de 1920. Sou confesso admirador do Alcindo, a quem considero um expoente intelectual da Santos de nossos tempos. A Tribuna está de parabéns por ter em seu quadro de articulistas esse homem, cuja ética e comportamento profissional servem de exemplo a todos.
Rubens Miranda de Carvalho - Santos

Aula de civismo

O artigo do dr. Mário Melo, Consequência das irresponsabilidades, publicado ontem, tocou profundamente a mim e todos os meus. Apesar de sermos colegas de profissão, e conhecê-lo apenas de vista, nunca tive a honra de conversar pessoalmente. Assim, por este meio, peço licença para fazer minhas as suas palavras ali expressadas, pois, além de representarem uma aula de civismo, retratam de forma sucinta a triste razão do momento que estamos vivenciando.
Claudio Lopes Perine - Santos

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.