Tribuna do leitor - 18 de setembro 2020

Na edição desta sexta-feira (18), participações de Luciana Archete, Cida Carneiro, Secretaria de Comunicação de Santos, Odeb Zelinschi de Arruda e Wagner Fernandes Guardia

Não prevíamos o caos

Estamos mudando nossos hábitos e nossas vidas porque não estávamos prontos para o futuro que se repetiu no passado diversas vezes. Pode até parecer contrasenso o que escrevi, mas é a pura realidade. Em tempos de escola lemos e estudamos na disciplina História o que ocorreu com povos antigos, e nem mesmo assim estávamos prontos para o problema de saúde, que pode ser simples se práticas e hábitos tivessem sido praticados. A disciplina de Ciências ou Biologia também nos dava dicas de que isso era possível de acontecer, mas nem mesmo nossos professores se precaveram. Entrou todo mundo no mesmo barco. Quantas lojas abarrotadas de produtos, empilhados aqui e ali e a gente perdido no meio daquilo tudo, se esbarrando, se empurrando, passando à frente e sendo passados para trás. O que esperar dessa doença que acomete alguns e outros passam por ela sem sequela alguma ou mais, sequer saber que a contraiu? Nem mesmo os cientistas, estudiosos, pesquisadores sabem como lidar e não podem nos dar dicas de prevenção, apenas de pânico e submissão. Isto mesmo. Entramos em pânico se alguém tosse ou espirra próximo de nós. Somos povos zumbis que ficamos trancafiados em nossas casas, vamos correndo na padaria ou supermercado (será que estes trabalhadores são imunes?); ou simplesmente no portão atender o motociclista que nos traz os pratos preferidos, sempre frios. Onde iremos parar?
Luciana Archete - Santos

Assine A Tribuna agora mesmo por R$ 1,90 e ganhe Globoplay grátis e dezenas de descontos!

Segurança
Há muito tempo tenho feito o contra fluxo no Sistema Anchieta/Imigrantes nos fins de semana, e grande parte das vezes o retorno é pela Anchieta. Dia 7 de setembro, feriado nacional, 2ª feira à noite, levei 3,5 h para retornar, um percurso que normalmente levo 1,5 h. Gostaria de saber como é decidida a interdição das pistas, sendo que temos duas pistas da Imigrantes e duas da Anchieta. O que mais me impressionou foi o trânsito de caminhões, uma quantidade enorme de veículos de carga de todo tamanho, inclusive os longos, utilizando todas as pistas da rodovia, direita e esquerda. Existe fiscalização quanto ao trânsito de caminhões?Os engenheiros e técnicos podem me informar? Quando os veículos de carga serão obrigados a obedecer as normas de trânsito?
Cida Carneiro - Santos

Ciclovias

Em reposta ao leitor Sergio Fang, a Prefeitura de Santos informa que a Subprefeitura da Zona Intermediária da Orla (ZOI) executa reparos urgentes na malha cicloviária da ZOI causados pelas raízes das árvores e outros problemas. A ciclovia da Avenida Afonso Pena conta com projeto de reurbanização em fase de captação de recursos. A Administração Municipal também informa que nesta terça-feira (15) foi instalado um para um paraciclo no Novo Mercado de Peixes, na Ponta da Praia.
Secretaria de Comunicação de Santos

Roberto Biela

A ótima crônica de Julinho Bittencourt sobre o grande músico Roberto Biela nos fez lembrar os anos 80, quando havia vários bares com música ao vivo. Nesse cenário, muitos músicos trabalhavam profissionalmente, proporcionando alegria aos frequentadores, atraindo uma legião de fãs. Músicos como o Julinho, Luiz Cláudio, Babyro, Canduta, Celso Lago, oriundos da noite santista fizeram história cantando nossa MPB. Hoje é diferente. O dono do estabelecimento se depara com leis municipais, alvará, Ecad, problemas com a vizinhança, tendo que fazer um grande esforço para compatibilizar as partes envolvidas e suas reivindicações. “E, no entanto, é preciso cantar para alegrar a cidade”.
Odeb Zelinschi de Arruda - Santos

Responsabilidade social

O Governo Federal mostra cada vez mais que não tem responsabilidade alguma com a sociedade. Ensaia um perdão bilionário às igrejas, reduz investimentos em educação e meio ambiente, mantém salários e benefícios dos parlamentares e agora pretende manter sem reajuste por dois anos benefícios como pensões e aposentadorias. É só o arroz que é o grande vilão?
Wagner Fernandes Guardia - São Vicente

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.