EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

17 de Setembro de 2019

Tenente Coimbra

Matheus Coimbra Martins de Aguiar é 1º Tenente do Exército Brasileiro. É formado em Administração de Empresas. Também possui formação em Política e Estratégia, na Escola Superior de Guerra (ADESG). Foi eleito deputado estadual pelo Partido Social Liberal (PSL), com 24.109 votos, nas eleições de 2018

Fretados, da comodidade à angustia

Quem trabalha na Capital e utiliza ônibus fretado diariamente conhece a realidade do que é passar horas inesgotáveis dentro do veículo

Quem trabalha na Capital e utiliza ônibus fretado diariamente conhece a realidade do que é passar horas inesgotáveis dentro do veículo. O que era para ser uma comodidade acaba se tornando angústia. Pela obrigatoriedade de realizar a descida pela Via Anchieta, os passageiros enfrentam muito trânsito devido aos constantes acidentes, ao tráfego pesado de caminhões e à própria periculosidade da pista, que contém apenas duas faixas e muitas curvas. Porém, já são 17 anos desde que a portaria que regulamenta essa prática foi instaurada e, acredito, já passou da hora de revê-la.

A segunda pista da Rodovia dos Imigrantes (SP-160), inaugurada no dia 17 de dezembro de 2002, foi um marco histórico para a Baixada Santista. Contudo, ainda hoje, nem todos se beneficiam desse avanço. Apesar de também pagarem o pedágio mais caro do Brasil, os trabalhadores da Baixada Santista não podem usar a rodovia.

O motivo para tal proibição deve-se ao sistema de frenagem dos ônibus à época da referida portaria, mas, em 2019, já há tecnologia e estudos suficientes para adequar esses veículos e realizar uma nova regulamentação, permitindo a descida pela Imigrantes.

Pensando nisso, protocolamos na Assembleia Legislativa de São Paulo um projeto de lei que dispõe sobre a permissão para que ônibus fretados utilizem a Rodovia dos Imigrantes, no sentido Baixada, de segunda a sexta-feira, das 18h às 21h. Além disso, integramos a Comissão de Transportes e Comunicações, portanto, pautaremos esse tema por lá também.

Os trabalhadores da Baixada Santista merecem mais qualidade de vida, mais tempo para ficar com suas famílias ou para fazer outras atividades. A quantidade de tempo desperdiçado, todos os dias, reflete diretamente na saúde mental e física dessas pessoas, e não podemos mais negligenciar esse fato.

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.