EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

12 de Julho de 2020

Tenente Coimbra

Matheus Coimbra Martins de Aguiar é 1º Tenente do Exército Brasileiro. É formado em Administração de Empresas. Também possui formação em Política e Estratégia, na Escola Superior de Guerra (ADESG). Foi eleito deputado estadual pelo Partido Social Liberal (PSL), com 24.109 votos, nas eleições de 2018

Basta de policiais mortos!

Não é novidade que a Baixada Santista é uma das regiões mais perigosas para ser um policial, após casos recentes de mortes de agentes

Já virou rotina acompanhar as notícias diárias de policiais que são vítimas de atentados a tiros ou feridos por criminosos no cumprimento do dever. E também não é novidade que a Baixada Santista é uma das regiões mais perigosas para ser um policial. Nos últimos dias, voltamos a ter demonstrações de como nossos policiais estão na mira.

Em menos de uma semana, três policiais militares morreram, vítimas de bandidos aqui na Baixada Santista. Existe uma guerra contra as forças de segurança, expondo nossos guerreiros diariamente ao risco. Estando ou não de farda, eles têm que conviver com a iminência da morte toda vez que saem de casa, independentemente de estarem trabalhando ou não.

Entre os dias 5 e 11 de fevereiro, dois PMs de folga e um aposentado foram executados (em São Vicente, Santos e Guarujá), deixando familiares e amigos na saudade e com o sentimento de impotência. É inaceitável que, em troca de fornecer proteção e bem-estar à sociedade e de manter os índices de criminalidade cada ano mais baixos, nossos policiais recebam somente tiros e tenham o seu sangue derramado.

Atrás de cada farda, existe um homem de família, honrado, que sai para trabalhar ou até mesmo para se divertir, aproveitar o seu tempo livre, sempre sem saber se vai voltar.

Aqui em São Paulo, ser policial é lidar com a desvalorização do Governo e até mesmo de parte da população. É trabalhar sem as mínimas condições de segurança, não ter os equipamentos necessários para enfrentar a bandidagem em pé de igualdade.

Não bastasse toda essa falta de suporte físico e mental, ainda precisam se contentar com um dos piores salários do país, mesmo lidando com demanda muito maior, que supera a de vários estados somados.

Já passou da hora do Estado corrigir anos de injustiças e ingratidão contra a classe. Cada uma das mortes de policiais deixa a sociedade um pouco mais desprotegida, à mercê de bandidos que contam com a impunidade para continuarem praticando seus crimes e destruindo famílias.

Nós, como pessoas de bem, temos o dever de valorizar e apoiar nossos policiais. São guerreiros em uma luta inglória! Heróis que colocam suas vidas “em jogo” para defender desconhecidos e manter a ordem no Estado. A quem levanta a voz e ousa criticá-los, deixo meu lamento e meu repúdio.

De mim, podem sempre esperar um braço forte para defendê-los e a mão amiga para apoiá-los. É minha missão, como deputado eleito, brigar para que não somente a população esteja segura, mas também os profissionais possam estar protegidos e valorizados. Irmãos de farda, a guerra de vocês é nossa guerra!

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.