EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

23 de Outubro de 2019

Rosana Valle

É deputada federal (PSB/SP), jornalista e escritora. Foi repórter da TV Tribuna por 25 anos e por 18 apresentadora e editora do programa Rota do Sol. Já fez reportagens em mais de 30 países e é autora de dois livros sobre o turismo regional e internacional. Rosana iniciou seu mandato em 2019 e é membro titular das Comissões de Viação e Transportes e Direito das Mulheres

Para nossas mães!

Um dia brincamos como filhas, num instante assumimos as responsabilidades e alegrias da maternidade, e lá na frente, seremos lembradas como avós! E toda essa jornada, gira em torno de uma única palavra: Mãe!

Com a maioria de nós mulheres, o ciclo da vida sempre se completa!

Um dia brincamos como filhas, num instante  assumimos as responsabilidades e alegrias da maternidade, e lá na frente, seremos lembradas como avós!

E toda essa jornada, gira em torno de uma única palavra: Mãe!

O Dia das Mães é uma data que me toca profundamente.

Vivencio a alegria de ter o amor dos meus dois meninos, mas também sou consumida pela imensa saudade que sinto da minha mãe Alice.

Tempos atrás, num dia como esse, eu escrevi um texto para ela.

Hoje eu peço a licença de vocês para compartilhar  este texto, e através dele deixar o meu carinho e o meu profundo respeito, a todas as mães desse mundo!

SOMOS TODAS ALICE ! 

“Minha mãe nasceu em 1937, e aos 56 anos foi vítima de câncer no seio.

Tive o privilégio de desfrutar de sua companhia até os meus 28 anos. 

Seu convívio e exemplo me ensinaram muito sobre o universo feminino e me tornaram a mulher que eu sou.

Alice era filha de imigrantes portugueses.

Nasceu no Morro do Pacheco, em Santos.

Ficou órfã aos sete anos e teve uma infância infeliz.

Trabalhou desde cedo como empregada doméstica na casa dos padrinhos, onde foi morar.

Subia num caixote para alcançar o tanque cheio de roupa.

Nunca se sentiu parte daquela família.

Na adolescência, para continuar a ter casa e comida, foi faxineira, cozinheira, costureira.

Casou aos 22 anos e teve três filhos.

Eu, única menina e a caçula da família.

Apesar das discriminações que sofreu, educou a mim e a meus irmãos com amor e igualdade.

Nunca me obrigou a lavar louça ou passar as camisas do meu pai.

Não queria que eu assumisse afazeres simplesmente por ter nascido mulher.

Meus irmãos não entendiam porque ela não os poupava dos trabalhos domésticos, como era costume das mães de moleques nos anos 70.

Naquele tempo os meninos podiam brincar na rua e as meninas não saiam de casa.

“Não vou criar minha filha pra ser submissa, ela será ombro a ombro com os homens“, esse era o seu discurso.

Mesmo longe das mulheres desbravadoras e feministas da sua época, que em muitas situações se uniam para protestar e queimar sutiãs em praça pública, ela também lutou, ao seu modo, contra uma sociedade machista.

Contou sobre todas as mulheres de seu passado que tinham ideias à frente do seu tempo.

Incentivou-me a trabalhar desde cedo, a fazer faculdade e vibrou com minhas primeiras conquistas profissionais.

Foi uma grande mulher, a mais admirável que conheci. 

Há alguns meses, nasceu uma linda menina em nossa família.

A pequena Alice, filha de minha sobrinha, ganhou o nome de minha mãe.

Quando crescer, saberá que a luta da sua bisavó e de tantas mulheres no passado, não foi em vão.

A cada geração estamos mais valentes e destemidas e mais perto de criar, não o país das maravilhas , mas o da igualdade de direitos, o Brasil que sonhamos para as Alices que virão”.

Saudades, mãe!

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.