EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

22 de Novembro de 2019

Rosana Valle

É deputada federal (PSB/SP), jornalista e escritora. Foi repórter da TV Tribuna por 25 anos e por 18 apresentadora e editora do programa Rota do Sol. Já fez reportagens em mais de 30 países e é autora de dois livros sobre o turismo regional e internacional. Rosana iniciou seu mandato em 2019 e é membro titular das Comissões de Viação e Transportes e Direito das Mulheres

O Brasil precisa voltar aos trilhos!

Os trens são uma questão de prioridade de investimento

O governo brasileiro tomou uma decisão desastrosa décadas atrás!

Na contramão das nações mais avançadas do mundo, deixou de incentivar e investir em ferrovias no país.

A partir dos anos 50, o Brasil passou a privilegiar estradas e o mercado automobilístico.

As estradas de ferro, que começaram a ser construídas em 1854 pelo Barão de Mauá, caíram no ostracismo.

Hoje, a extensão da nossa malha ferroviária é a mesma de 100 anos atrás.

Temos 30 mil quilômetros de trilhos, enquanto a vizinha Argentina, com um terço do nosso território, tem 37 mil quilômetros.

Alguém vai dizer que o Brasil é um país de dimensões continentais, difíceis de serem interligadas por ferrovias.

Não é verdade, países maiores como Estados Unidos, Canadá, Rússia e China estão unidos de uma ponta a outra pelos trilhos, e possuem uma impressionante rede de trens regionais. 

Os trens são uma questão de prioridade de investimento.

E isso não acontece mais por aqui. São raros os aportes financeiros em ferrovias.

O exemplo bate à nossa porta: aqui na região, temos a estrada de ferro que liga Santos a Cajati, no Vale do Ribeira.

A linha operou entre 1915 e 2002.

Hoje, está desativada e praticamente sucateada, com áreas invadidas, estações destruídas, trechos com trilhos roubados e muito mato.

A empresa, que detém a concessão deste trecho, alega que não existe interesse econômico para reativar a operação dos trens.

A solução é discutida há tempos por técnicos e políticos, mas continua praticamente “parada na estação”.

Eu acredito que é hora de mudar este cenário.

No Congresso, apresentei o Projeto de Lei 5.232/2019, que institui o Regime Tributário para o Incentivo à Modernização e à Ampliação da Estrutura da Mobilidade sobre Trilhos (REMOBI).

Com isso, pretendo incentivar o transporte de cargas e de passageiros por meio de trens no Brasil.

A proposta visa promover a redução tarifária, a desoneração tributária do setor e a expansão da malha ferroviária em todo território nacional.

Assim, teremos passagens e fretes mais baratos para todos.

Uma das consequências diretas do aumento das ferrovias será a redução do número de caminhões nas rodovias.

Além disso, conseguiremos a redução da queima de combustíveis fósseis, cujo processo contribui muito para a emissão de gases poluentes na atmosfera, uma das causas do aquecimento global. 

Há mais de 25 anos uma fábrica de trilhos não é instalada no Brasil.

Entendo que a chegou a hora de mudar este cenário!

Os trens estão no imaginário e no coração do povo brasileiro. Este projeto pode ser uma chance real de trazer de volta a alegria e o avanço econômico que os trilhos e as locomotivas podem proporcionar!

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.