EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

17 de Agosto de 2019

Roberto Monteiro

Foi repórter das principais rádios de São Paulo: Bandeirantes, Record, Jovem Pan e Gazeta. Nos últimos anos atuou nas maiores emissoras de rádio de Salvador.

Recuperação do São Paulo é o destaque na rodada do Brasileirão

Rodada deste final de semana teve jogos para todo tipo de emoção e dos mais variados estilos táticos e técnicos

Amigos, a partir desta segunda-feira (12) estarei dividindo este espaço com todos vocês, para falar sobre o futebol paulista em sua participação no Brasileirão.

Rodada deste final de semana teve jogos para todo tipo de emoção e dos mais variados estilos táticos e técnicos.

No sábado (10), por exemplo, São Paulo e Santos se enfrentaram numa partida cheia de emoção e muito disputada até os minutos finais.

Inegável que o Santos FC, mesmo com a limitação de elenco que tem se comparado as demais equipes, com o comando vibrante e competente de Jorge Sampaoli vem mostrando muita inspiração ofensiva, com um estilo que sempre busca o ataque, num estilo de jogo muito agradável de se ver em campo.

Claro que a equipe demonstra em campo algumas deficiências, principalmente no setor defensivo, mas mesmo assim segue na liderança. Se manter lá será uma tarefa muito difícil em razão da disputa ser muito longa e exigir muita qualidade na reposição de peças. Mas, mesmo com a derrota para o time de Cuca e aproveitando o vacilo do time de Felipão diante do Bahia, merece figurar na ponta da tabela ao final de mais uma rodada.

Chama a atenção também, de maneira bem positiva, a reação do São Paulo FC, depois da Copa América, com acúmulo de vitórias e deixando claro que Cuca tem o elenco nas mãos para seguir suas orientações dentro de campo. Além disso, com as vindas de reforços internacionais, desde as voltas de Alexandre Pato e Hernanes até as novidades Daniel Alves e o espanhol Juanfran, o tricolor começa a mostrar que poderá brigar pelo título nacional depois de tantos anos sem convencer sua exigente torcida.

Já o Corinthians, mais uma vez, entrou em campo mostrando ser uma equipe apenas de resultados, sem inspiração ofensiva e tampouco preocupada com a qualidade de seu futebol. Essa característica, aliás, vem desde o primeiro título nacional conquistado sob o comando de Tite, com uma repetição incrível de resultados mínimos e tão pouco convincentes. Hoje, ainda pior pela baixa qualidade de elenco que o time tem. Vale mesmo pela força de sua camisa, apoio inegável de sua torcida e o trabalho de Fábio Carille, que não é unanimidade, mas tem seus méritos na ascenção de posições na classificação das últimas rodadas.

O milionário Palmeiras, com o comando do discutido Luis Felipe Scolari, mesmo com muitas peças de qualidade e ampla facilidade na mudança de escalação, dependendo do interesse do jogo ou da própria competição, ainda carece de uma identidade mais marcante de um time que foi montado para ser campeão de tudo e vem negando tudo isso desde o ano passado, apesar do título nacional. Muita polêmica, muitas especulações, muitos resultados ruins levaram o time a perda da liderança do Brasileirão e aumentam a exigência do torcedor na recuperação da posição, a qualquer custo. 

Assim ao final de mais uma rodada, o destaque é a recuperação do São Paulo.

Finalizando, quero deixar minha observação a respeito do tão discutido VAR, inovação fantástica para a garantia da confiança do torcedor no resultado final das partidas, mas ainda sendo pessimamente utilizado no Brasil. A impressão que fica é que o árbitro que comanda o VAR quer, de qualquer maneira, ser mais importante e decisivo que o árbitro de campo, que sempre foi autoridade máxima no espetáculo desde a criação do próprio futebol.

Outra coisa se refere a nossa pobre cultura esportiva onde em qualquer lance que levante dúvida todos se achem no direito de cercar o árbitro em exigir a utilização do VAR. Falta conhecimento de regras e do protocolo de funcionamento do equipamento em todos os sentidos. Daqui a pouco vão exigir que o VAR seja acionado até mesmo em reversão de arremesso lateral. Um absurdo!!!

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.