EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

5 de Dezembro de 2019

Roberto Monteiro

Foi repórter das principais rádios de São Paulo: Bandeirantes, Record, Jovem Pan e Gazeta. Nos últimos anos atuou nas maiores emissoras de rádio de Salvador.

Palmeiras confirma ser o único que pode fazer frente ao Flamengo

Uma goleada por 6 a 2 coroou a melhor partida da equipe nesta nova fase. Já o Santos não passou de um empate no Maracanã diante do Fluminense

Amigos, voltaram as rodadas do Brasileirão nos meios de semana e, desta vez, com uma média incrível de gols e resultados marcantes.

Na luta direta pela liderança da competição, o Palmeiras chegou a sua quinta vitória seguida sob o comando de Mano Menezes e, em que pese a campanha ruim do CSA, desta vez venceu e convenceu. Uma goleada por 6 a 2 coroou a melhor partida da equipe nesta nova fase, com um futebol forte na marcação, excelente toque de bola e participação de todos os setores do time nas jogadas decisivas.

Bruno Henrique acabou sendo seu principal nome, com dois gols marcados e participação direta em outros dois, além da presença marcante de Luiz Adriano, que também marcou duas vezes. Até mesmo o polêmico Lucas Lima entrou e resolveu mostrar trabalho de maneira marcante. Enfim, apesar de ter tomado dois gols, o time de Mano Menezes confirma ser ainda o único que pode fazer frente ao Flamengo na luta pelo título.

Já o Santos não passou de um empate no Maracanã diante do Fluminense, resultado que o deixa ainda mais longe da disputa.

Num jogo em que começou muito bem, marcando o adversário já na saída de sua defesa, permitiu, ao mesmo tempo, espaços em seu próprio campo que trouxeram ao Fluminense esperança por um resultado melhor.

Já no primeiro tempo, o goleiro Muriel foi obrigado a fazer três grandes defesas mas claramente começar vencendo era tudo que o Santos queria e foi através do rápido Soteldo, em uma jogada individual, com muita habilidade, que o gol santista surgiu. Pena que, ainda nos acréscimos do primeiro tempo, numa bola cruzada da esquerda, o zagueiro Lucas Veríssimo tenha sido infeliz ao tentar cortar e cabecear contra seu próprio gol.

Com isso o time de Oswaldo de Oliveira voltou mais disposto para o segundo tempo e pressionou de alguma forma sem muito perigo. Aliás, no tempo final do jogo muitas coisas merecem ser destacadas: a entrada do atacante Marinho e do lateral Victor Ferraz mudaram radicalmente o panorama do jogo a favor do Santos.

Marinho, com suas jogadas insinuantes, acabou provocando a expulsão de dois zagueiros cariocas: Digão, que o agrediu com um pontapé no rosto numa jogada rasteira, e depois Frazan, que o derrubou como último recurso quando partia em direção ao gol.

Mas não ficou só nisso, pois o próprio Marinho abusou de jogadas mais violentas e também acabou expulso nos minutos finais, momentos em que os dois times perderam chances incríveis para mudar o placar do jogo. Nestes lances prevaleceram as categorias dos goleiros Everson e Muriel, em saídas precisas evitando a conclusão das jogadas em gol.

Finalizando, sem dúvida, outro momento marcante no jogo foi o da substituição de Paulo Henrique Ganso, que saiu contrariado e se rebelando publicamente com gestos e palavras diretas ao técnico Oswaldo de Oliveira, que também revidou.

Agora fica aqui minha impressão pessoal neste lance: ambos foram sinceros e verdadeiros nas ásperas palavras trocadas na discussão, afinal nenhum dos dois "sabe nada", são enganadores no mundo do futebol!

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.