EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

19 de Abril de 2019

Resenha Esportiva

Espaço mantido pelos jornalistas Heitor Ornelas, Régis Querino, Alexandre Fernandes e Bruno Gutierrez. O quarteto traz informações e comentários sobre o Santos Futebol Clube e tudo mais que acontece no mundo do futebol.

Sinal de alerta na Seleção

Amistosos mostraram que alguns atletas não merecem disputar a Copa América e que a dependência de Neymar continua

Deixemos de lado os "externos desequilibrantes" e as "sinapses no último terço" do técnico Tite para falar do que realmente importa: as atuações da Seleção Brasileira nos recentes amistosos contra Panamá no último sábado (23) e República Tcheca na terça (26), não foram aquilo que ele esperava e ligaram o sinal de alerta para a disputa da Copa América, entre junho e julho, no Brasil.

Nas entrevistas coletivas após os jogos, o treinador deu aquele migué, valorizou o empenho de seus atletas, mas certamente concluiu que alguns jogadores não merecem estar na lista de convocados para o torneio. Ou porque ainda não estão preparados ou porque não estão jogando nada mesmo.

Quem se encaixa perfeitamente nesse último caso é Philippe Coutinho. No jogo contra o Panamá, principalmente, ficou claro por que ele é reserva no Barcelona. Sem Neymar, ele é quem deveria liderar a Seleção. Mas não. Sua apatia contrastou com a vontade de Lucas Paquetá e Richarlison. E olha que os dois nem foram lá essas coisas.

Resta saber qual será a postura de Tite com relação a Coutinho. É bom lembrar que na Copa do Mundo de 2018, Gabriel Jesus não jogava bem e Tite o manteve como titular mesmo assim. Ele já viu que não é assim que, como costuma dizer, "vai rrrrretomar, vai rrrrecuperar" o moral de um atleta. Até acredito que Tite não abrirá mão da experiência do meia-atacante na Copa América. Mas ele vai forçar a amizade se Coutinho seguir como titular. Ainda mais com a bolinha que está jogando no Barcelona.

O técnico também deve estar apreensivo quanto a Neymar. Os dois amistosos deixaram a clara impressão de que a Seleção Brasileira não sabe se virar sem o atacante do Paris Saint-Germain, que ainda se recupera de uma fratura no pé direito. Por estar fazendo um tratamento mais conservador, Neymar não está correndo para se recuperar o quanto antes, como fez no ano passado para disputar o Mundial. Ou seja, sabe-se lá como ele chegará para a Copa América.

Para não dizer que os amistosos foram uma desgraça total, o Brasil foi muito bem na segunda etapa da partida contra a República Tcheca. David Neres e Everton Cebolinha entraram e revigoraram um time carente de ideias no primeiro tempo. Se continuarem bem em seus times, serão ótimas opções para Tite no torneio. Portanto, o sinal de alerta está ligado, mas há uma luz no fim do túnel.

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.