EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

19 de Maio de 2019

Resenha Esportiva

Espaço mantido pelos jornalistas Heitor Ornelas, Régis Querino, Alexandre Fernandes e Bruno Gutierrez. O quarteto traz informações e comentários sobre o Santos Futebol Clube e tudo mais que acontece no mundo do futebol.

Corinthians abusa do direito de jogar mal

Até quando o time vai viver de Cássio e da força da camisa?

O Corinthians fez mais um jogo ruim no sábado, ao empatar em 0 a 0 com o Grêmio. Após quatro rodadas no Campeonato Brasileiro, o time aparece na 12ª posição, com 5 pontos. Mas a colocação na tabela nem é o pior. Duro mesmo é aguentar a bolinha murcha dos comandados de Fábio Carille.

Tudo bem que o Corinthians foi tricampeão paulista há menos de um mês e que está vivo na Copa do Brasil e na Sul-Americana. Mas tudo isso parece pouco perto do martírio que tem sido acompanhar os jogos da equipe, que vive da força de sua camisa e dos milagres de Cássio nos momentos decisivos.

Carille diz que o time joga mal porque não tem tempo para treinar e por causa da pré-temporada, que em 2019 foi mais curta do que o habitual. Sem dúvida, são argumentos pertinentes, mas que não explicam por completo a questão. A verdade é que, por mais que seja adepto do estilo defensivo, à espera do erro do adversário para fazer 1 a 0 e em seguida se limitar a defender a vantagem, o treinador tem a obrigação de fazer os jogadores renderem mais. Ainda mais se lembrarmos que a diretoria contratou mais de 11 jogadores para a temporada.

Carille precisa cobrar mais de jogadores como Boselli, que chegou com moral do México e até agora não justificou o investimento – por sinal, ele é um dos dez jogadores mais bem pagos do Brasil, segundo o Uol. Outro que está devendo é Jadson. A reserva e o aparente excesso de peso não condizem com um jogador que tem potencial para decidir partidas.

A aposta de Carille para a volta do bom futebol está na pausa para a Copa América. Segundo ele, com mais tempo para treinamento e recuperação física o Corinthians vai, naturalmente, retomar as atuações convincentes. É bom que ele esteja correto, caso contrário o segundo semestre será de decepções para o torcedor corintiano.

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.