Paulo Corrêa Jr

Deputado estadual reeleito na Assembleia Legislativa, Paulo Corrêa Jr. é formado em jornalismo e direito. Têm como bandeiras principais a descentralização do Porto, causas ligadas ao esporte e assistência social. É considerado um deputado metropolitano, pois sua base está espalhada pelas cidades que englobam a Baixada Santista, Vale do Ribeira e Litoral Norte.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Aumento do ICMS: a verdade que todos precisam saber

Esse aumento não foi aprovado pela Assembleia Legislativa e, assim, não teve o apoio dos deputados. Trata-se de uma atitude isolada do Governador

Recentemente abriu-se discussão sobre um assunto polêmico: o decreto do Governador João Doria, aumentando a tributação sobre veículos usados, de 1,8% para 5,5 e de 12% para 13,3%, nos automóveis 0km.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Muito se falou sobre a representatividade dos deputados estaduais na defesa da população, para mais um aumento de impostos que poderia atingir em cheio o bolso do consumidor, causando um grande impacto agravado ainda mais, pelo momento em que estamos atravessando, com pandemia, economia estagnada e muitos sem emprego.

Pois bem. Esse aumento não foi aprovado pela Assembleia Legislativa e, assim, não teve o apoio dos deputados. 

Trata-se de uma atitude isolada do Governador que pode fazer isso por decreto, sem que nós, legisladores precisemos aprovar. Mas agora, cabe a nós, questionar e revogar o decreto. E digo mais: o Governador não possuía qualquer autorização dada pela ALESP para majorar qualquer tipo de imposto, portanto, necessitamos de uma ampla discussão e consenso por parte da sociedade, Legislativo e Executivo para avaliar esta questão.

E, por entender que esse aumento não é adequado, protocolei nesta terça, 16 de fevereiro, um Projeto de Decreto Legislativo (PDL) para colocar esse assunto em pauta na ALESP, para que possamos decidir se é legítimo e se devemos vetar.

Teremos agora que seguir as normas de rotina, que deve levar mais algum tempo. Porém, demos o primeiro passo. Se não é bom para a população, jamais terá meu apoio.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.