EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

23 de Agosto de 2019

Marcio Calves

É jornalista e comentarista

José Carlos Peres admite que tentou retorno de Neymar ao Santos

Presidente do Peixe falou sobre relação com Sampaoli, renovação de Gustavo Henrique e demais assuntos relacionados ao Alvinegro

A conversa foi longa, num ambiente informal e de muita cordialidade. À vontade, o presidente do Santos, José Carlos Peres, falou de tudo. Acreditem, até mesmo da cartada que deu para tentar o retorno de Neymar ao clube, a partir de sua boa relação com um dos integrantes da monarquia absoluta do Catar. Um deles, aliás, há algum tempo assistiu a uma partida do time ao lado do próprio dirigente.

O retorno de Neymar seria por empréstimo até dezembro e, principalmente, para desanuviar o clima de animosidade entre o jogador e o clube, além de evitar sua transferência de imediato para o Barcelona. Os entendimentos informais evoluíram no início, registrando, num determinado momento, até a anuência do pai do jogador.

Mais tarde, porém, diante da pressão do Barcelona e da própria entrada do Real Madrid na negociação, a volta de Neymar foi praticamente descartada.

José Carlos Peres também falou muito (e com entusiasmo) da contratação de Jorge Sampaoli. Revelou, por exemplo, que inicialmente a prioridade era Ariel Holman, do Independiente, considerado o novo gênio do futebol argentino, também por ser um seguidor fiel da mais famosa escola holandesa, cujo carrossel encantou o mundo e surpreendeu até Zagalo e o Brasil na Copa de 74.

Não que Sampaoli fosse a segunda opção, o fato é que, para o presidente, naquele momento, tal treinador era um sonho impossível. Um contato com um amigo da Argentina, preliminarmente apenas para um jantar entre amigos em Buenos Aires, mudou o rumo da história. Durante o encontro, veio a sugestão: “Por que não Sampaoli”? Peres gostou de pronto, mas se mostrou receoso de levar uma sumária resposta negativa.

Jorge Sampaoli estava em Rosário, em seu sítio, ainda muito aborrecido com sua tumultuada passagem pela seleção argentina. Um telefonema do amigo e a reunião foi rapidamente agendada. O treinador, porém, deixou claro que não pretendia, naquele momento, retomar sua carreira.

Em Rosário, depois de quase cinco horas de conversa, sobre o futebol em geral e amenidades, a pergunta de Peres foi direta: “O senhor gostaria de trabalhar no Santos”?

Sampaoli foi também objetivo: “Quem não gostaria de trabalhar no Santos... Uma lenda do futebol mundial”. Em pouco tempo, o acordo e o anúncio oficial.

Peres revelou, ainda, que, ao chegar ao clube, antes da apresentação, Jorge Sampaoli abriu o Laptop com a relação de todos os jogadores do Santos e suas principais características. Nesse encontro, por exemplo, definiu o futuro de Vanderlei, até então um intocável do time. O argumento principal era de que o goleiro não sabe “jogar com os pés”, como exige o futebol atual e sua filosofia própria de jogo.

Por isso, Éverson foi contratado e, gradativamente, assumiu a condição de titular.

Peres também revelou que muitos são os interessados em tirar Jorge Sampaoli do Santos. Alguns até para assumir seleções nacionais. Também por isso não concordou, com o apoio do Comitê de Gestão, em retirar a multa rescisória, em 2020, do atual contrato, conforme foi solicitado pelo treinador.

O dirigente também falou muito da proposta de modernização e profissionalização da Vila Belmiro. O assunto está tão bem encaminhado que a elaboração do projeto deve ocorrer em poucas semanas, prevendo um estádio para cerca de 25 mil pessoas.

Especificamente sobre o futebol, contou:

1- O acordo para renovação de contrato com Gustavo Henrique está fechado, mas a assinatura só ocorrerá após o dia 31 de agosto, quando haverá o fechamento da janela de transferências na Europa.

2- Recentemente, recebeu pelo menos duas propostas por Soteldo, mas recusou.

3- Por fim, otimista, assegurou que o Santos lutará diretamente pelo título. E que o grande adversário será o Palmeiras, e não o Flamengo.

Sobre sua atual relação com Sampoli, garantiu que é ótima. Brincando, disse que só diverge da escalação do time com três zagueiros.

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.