Márcia Atik

Psicóloga, terapeuta sexual e de casal, Marcia Atik também é membro do Centro de Pesquisas em Sexualidade.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Sexóloga dá dicas para esquentar o sexo mesmo após vários anos de casamento

Não existe nada mais fatal para a criatividade sexual e para o desejo do encontro do que o excesso de intimidades

Por mais amor e desejo que o casal tenha, é muito mais comum do que se pensa que a rotina da vida e as frustrações naturais do dia a dia interfiram e não deixem que se usufrua aquilo que é muito mais do que um sexo gostosinho, mas é também saúde física, emocional e saúde para a relação.

Assine A Tribuna agora mesmo por R$ 1,90 e ganhe Globoplay grátis e dezenas de descontos!

Muitos! Tédio, rotina, stress, excesso de intimidade e falta de tempo podem influenciar na falta de disposição para o sexo.

Estar sempre relembrando de como foi no começo é uma maneira de estar sempre revisitando seu potencial sexual que geralmente se deixa acomodar quando se casa, vão morar junto ou o relacionamento é longo.

Entender que priorizar o sexo não é para agradar ao outro, mas para agradar a si mesmo, é muito importante pois ainda se acredita que um vai dar para o outro e assim sendo o sexo torna-se obrigação.

É muito importante dar um espaço no dia a dia para pensar nisso, falar disso e brincar disso, pois sexo, volto a dizer por que acho importante, é mais do que um momento gostosinho e secreto. Sexo é vida.

Vale ressaltar que não estou falando de quantidade, mas sim de qualidade, de um momento único e preparado para isso e que deve ser valorizado nos relacionamentos como algo que não se deve deixar morrer, nem ficar a parte da vida.

Dentro de casa, na cama de todo dia no motel, no chuveiro, na cozinha, não importa. O importante é estar ali de corpo e alma, naquele momento vivendo todas as possibilidades de intensidade sensorial, cada um dos parceiros responsáveis pelo seu próprio prazer.

Não existe nada mais fatal para a criatividade sexual e para o desejo do encontro do que o excesso de intimidades que eu chamo de promiscuidade, que é uma intimidade excessiva que tira todas as possibilidades de mistério na relação. Muitas vezes, para deixar que o outro entre no nosso mundo, nós nos livramos de toda a cerimônia e constrangimento com a outra pessoa comprovadamente é um anticlímax, porque deixa de haver um mistério e uma certa distância entre os dois, que são fatores que alimentam o desejo sexual no relacionamento.

Em qualquer relacionamento, cada dia é um dia e, por isso, os dois precisam investir e se dedicar. Manter o desejo em alta não é missão impossível, mas com criatividade, empenho e vontade, além de disposição para transar, sem desculpas, já que caíram por terra as desculpas tradicionais como dor de cabeça, por exemplo, sabemos que durante a relação sexual se liberam hormônios que também trazem uma analgesia que é tudo de bom para a dor de cabeça. Fica a dica e também a desculpa mais comum que é o cansaço nosso do dia a dia, e nesse quesito eu desafio que me falar o que é mais relaxante do que um abraço de conchinha depois...

Algumas dicas para aquecer o relacionamento:

Lembrar que a casa não se resume ao quarto. Ambientes inusitados desafiam a curiosidade e trazem uma sensação de perigo controlando muito estimulantes. Se tem filhos, existe algo mágico chamado chave e limites ensinando os filhos a respeitar um momento em que os pais estão a sós, além de que é uma bela introdução a educação sexual.

Roupas sexys, tais como babies dolls ou camisolas ou cuecas provocadoras, são interessantes, mas nada se iguala um a um corpo desnudo. Dormir pelado, além de fazer bem porque areja as partes do corpo, é um grande estimulante sexual, pois o contato de pele com pele traz aos nossos sentidos sensações de calor e maciez que são, além de relaxantes, muito afrodisíacas.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.