EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

22 de Novembro de 2019

Kenny Mendes

É deputado estadual (Progressistas). Professor universitário há mais de 20 anos, estreou na vida pública em 2013 como vereador em Santos. Foi reeleito em 2016 com a maior votação da história da Câmara Municipal - na ocasião, obteve 24.765 votos.

Direto ao ponto

Projetos que realmente façam a diferença na vida das pessoas são os que tenho compromisso em apresentar na Assembleia Legislativa

Desde março – o início da atual legislatura na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) – até esta quinta-feira (7 de novembro), um total de 1.154 projetos de lei (PLs) foram apresentados no Parlamento paulista. É um volume alto. Propostas do tipo que alteram nomes de ruas, avenidas e praças ou as que instituem prêmios diversos, como sabemos, são comuns. Fazem parte das prerrogativas de um deputado estadual, portanto são amparadas pelas regras vigentes. Nada contra. Da minha parte, porém, optei por tomar um caminho diferente.

Nesta semana, apresentei na Casa um projeto que pretende tornar obrigatória a implantação de áreas de lazer aparelhadas para atividades da Terceira Idade nos programas habitacionais executados pelo estado. Mais do que locais para se passar o tempo livre, tais espaços se revelam preciosos para a saúde do indivíduo e seu desenvolvimento pessoal e social. É só pensar: cidadãos mais saudáveis têm menor propensão a adquirir doenças, assim, recorrem menos ao serviço público de saúde, hoje já tão saturado.

Este é apenas um exemplo do teor das proposituras que escolhi levar para a Alesp: projetos que realmente façam a diferença na vida das pessoas. Defini não apresentar ideias inócuas nem faraônicas. Não é fácil conseguir uma das 94 cadeiras do Palácio 9 de Julho. Eu tive a honra de alcançar, então, não posso me dar ao luxo de perder tempo na função. É preciso ir direto ao ponto.

Foi esse pensamento que me fez elaborar o PL que condiciona a matrícula nas redes pública e particular de ensino à apresentação da carteira de vacinação do aluno. Ou o que prevê a oferta de brinquedos adaptados para crianças com deficiência nos parques públicos do estado.

Posso citar, também, o projeto que apresenta diretrizes para ações de prevenção e controle do diabetes para os estudantes nas unidades escolares – públicas ou privadas – paulistas. Ou, ainda, o PL que estabelece a construção de passarelas de acesso para cadeirantes e portadores de necessidades especiais nos nossos municípios litorâneos. São algumas amostras do trabalho que desenvolvi até o momento.

O que há de comum entre eles? Além de todos serem exequíveis – ou seja, podem tecnicamente sair do papel sem dificuldades –, os projetos visam, como prioridade absoluta e irrestrita, tornar melhor a vida das pessoas. O munícipe comum, como você e eu. Fui eleito vereador duas vezes em Santos e, agora, estou deputado estadual, mas, à parte figurar em um cargo público ou não, continuo sendo um professor de ofício. É minha obrigação procurar fazer o melhor. Sempre – e seja em qual papel for.

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.