EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

20 de Julho de 2019

Júnior Bozzella

É bacharel em Direito, empresário, deputado federal (PSL/SP) e membro do diretório nacional do partido. Foi superintendente da Funasa no Estado de São Paulo, vereador na cidade de São Vicente (SP), além de suplente de deputado estadual e candidato a prefeito no município.

Para o Brasil crescer, precisamos de mais oportunidades para os nossos jovens

Mais de 11 milhões de jovens brasileiros com idades entre 15 e 29 anos pertencem, hoje, ao chamado grupo dos 'nem-nem', que estão fora da escola e do mercado de trabalho

Mais de 11 milhões de jovens brasileiros com idades entre 15 e 29 anos pertencem, hoje, ao chamado grupo dos 'nem-nem', que são jovens que estão fora da escola e do mercado de trabalho por barreiras relacionadas à pobreza, desemprego, educação deficiente e outros.

O número equivale a quase um entre cada quatro jovens nessa condição, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e reflete uma realidade preocupante.

Sem qualificação específica, esse grupo acaba também sem emprego, vítima de um mercado de trabalho cada vez mais exigente e competitivo, em consequência de uma demanda crescente de desempregados com todos os níveis de formação.

Essa é uma preocupação que vai além da questão econômica, pois é, também, uma questão social. Infelizmente, para famílias pobres, um filho na escola pode representar uma fonte de renda a menos, pois é um braço a menos trabalhando para ajudar a sustentar a família. O desemprego e a falta de perspectivas muitas vezes acabam levando esses jovens a situações de vulnerabilidade social ao desespero, e os arrastam para facções criminosas em busca de dinheiro e reconhecimento.

Ciente desses números, e preocupado com a manutenção de projetos que auxiliem a minimizar essa realidade, como é o Centro de Aprendizagem e Mobilização Profissional e Social (Camps) Santos, estive reunido durante a semana com o ministro da Cidadania, Osmar Terra, e o presidente do Camps Santos, Elias Júnior, com o objetivo de interceder junto ao ministro pela renovação da Certificação de Entidades Beneficentes de Assistência Social (CEBAS) para a manutenção do programa, que oferece a oportunidade do primeiro emprego, cursos de qualificação profissional e possibilita o desenvolvimento de uma geração de novos profissionais.

A entidade atende, hoje, cerca de 1.500 jovens e atua há 51 anos na formação e colocação de jovens aprendizes no mercado de trabalho, e ajudou, ao longo de cinco décadas, mais de 110 mil jovens a conquistarem o primeiro emprego, e hoje estão em posições de destaque em diversas áreas.

Oferecer a oportunidade do primeiro emprego possibilita o desenvolvimento de uma geração de novos profissionais, que poderão servir às organizações de forma participativa e produtiva.

Defendendo essa bandeira, conseguimos garantir do ministro Terra o compromisso de enviar uma equipe do ministério para fazer uma visita ao projeto in loco, que já está agendada para o próximo dia 24, com o objetivo de avaliar a manutenção da certificação, o que permitiria a continuidade do projeto que tem mudado a realidade de centenas de jovens santistas.

Os jovens perderam a fé na política e nos políticos. Cabe a nós buscar iniciativas para virar o jogo e mudar essa realidade, como temos feito lá na Câmara Federal.

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.