EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

21 de Agosto de 2019

Júnior Bozzella

É bacharel em Direito, empresário, deputado federal (PSL/SP) e membro do diretório nacional do partido. Foi superintendente da Funasa no Estado de São Paulo, vereador na cidade de São Vicente (SP), além de suplente de deputado estadual e candidato a prefeito no município.

O Brasil e as manifestações

Falou-se em manifestação pró-governo, pró-Bolsonaro, mas o que eu vi de verdade foi uma mobilização pró-Brasil!

Os movimentos sociais e manifestações tem fundamental importância para a consolidação da democracia. Em outubro do ano passado centenas de milhares de brasileiros se uniram e foram às urnas para mostrar a sua insatisfação com a política brasileira, o seu clamor por mudança e a sua indignação com a corrupção no país.

Neste domingo (26), por volta de 17h, 122 cidades em 21 estados e no Distrito Federal tinham tido protestos, na Baixada Santista o cenário não foi diferente. Novamente, milhares de brasileiros voltaram às ruas para lembrar e cobrar parte da classe política o compromisso de mudança assumido nas campanhas eleitorais Brasil a fora.

Falou-se em manifestação pró-governo, pró-Bolsonaro, mas o que eu vi de verdade foi uma mobilização pró-Brasil!

Nas ruas, diferentemente do que acompanhamos em recentes manifestações pela Educação onde com frequência se viam faixas pedindo “Lula Livre”, a pauta do dia 26 não foi uma pessoa ou uma categoria, os movimentos tiveram como objetivo chamar a atenção para questões importantíssimas para o futuro do Brasil, como a Nova Previdência, a Reforma Tributária, o Pacote Anticrime, a Lava Toga, a MP 870 e 868, autonomia para os auditores da RF5 e a permanência do Coaf na pasta do Ministro Sergio Moro.

O povo foi às ruas neste domingo pedindo austeridade, transparência, cobrando de nós, a classe política, a tão sonhada mudança que os levou às urnas em outubro. Infelizmente, para que aconteça essa mudança que a sociedade tanto anseia, é preciso comprometimento de todos. Eu estou fazendo a minha parte na Câmara dos Deputados, mas a maioria dos parlamentares e senadores também precisa fazer o mesmo.

Apesar dos nossos esforços, em uma votação apertada na última semana, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) foi retirado da pasta da Justiça sob o comando do ministro Sérgio Moro. Em apenas poucos meses no Ministério da Justiça a eficácia do conselho no combate à corrupção aumentou em 20%. Então lhe pergunto, foi uma derrota do governo? Não. Infelizmente foi uma derrota para a população brasileira, para todos nós que temos travado uma verdadeira guerra contra a corrupção no Brasil. O mesmo acontece com as demais pautas que são fundamentais para o futuro do nosso País, elas não são importantes só para mim, para você, para o PSL, não se tratam de um capricho do presidente, elas são fundamentais para a nação.

O Congresso Nacional é uma Casa séria e não deve funcionar como balcão de negócios nem as pautas do governo para o futuro do Brasil podem ser tratadas como mercadoria.

As manifestações do dia 26 não tiveram como objetivo demonizar deputados e senadores, e sim colocar os holofotes no lugar certo, voltados para as reivindicações do povo. 

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.