Júnior Bozzella

É bacharel em Direito, empresário, deputado federal (PSL/SP), presidente do diretório estadual do PSL no Estado de São Paulo e vice-presidente Nacional do partido.

Menos discurso e mais ação! É disso que a Baixada e o Brasil precisam

Entre recursos destinados para a saúde, em meio a pandemia do coronavírus, ainda é preciso fazer muito para atender a demanda da população

Estamos chegando quase na metade do mandato e a sensação que tenho é de dever cumprido. Sigo trabalhando incansavelmente pela região da Baixada Santista e por todo Estado. Um exemplo foi o Conjunto Habitacional do Tancredo que vai beneficiar 1.120 famílias que vivem, na sua maioria, em habitações subnormais. Estamos desde o início do mandato lutando para conseguir o recurso para concluir a obra. Nos reunimos por diversas vezes com o ministro de Desenvolvimento Regional, levamos o prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, e o presidente da Cohab, Mauricio Prado, até o ministério, apresentamos os números sobre a importância de finalizar a obra para atender às famílias, e fizemos a gestão insistente desde o início do ano passado até agora. Felizmente recebemos a grande notícia de que foi atendido o compromisso que o ministro de Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, assumiu conosco.

Ao longo do meu mandato, já destinei mais de 6 milhões de reais para a nossa São Vicente. Recursos já à disposição do município, que estão sendo aplicados na atenção básica e especializada em Saúde, além de infraestrutura e investimentos para a cidade.

Também lideramos a atuação para garantir a ajuda de R$ 7,6 milhões para o município de Santos em auxílio financeiro emergencial às Santas Casas e Hospitais Filantrópicos. O município conta com mais de 433 mil habitantes que serão direta e indiretamente beneficiados por essa ingestão de recursos na Saúde.

A verba, que teve a relatoria do nosso Senador Major Olímpio, já está servindo para a aquisição de medicamentos, suprimentos, insumos e produtos hospitalares para o atendimento adequado à população. Além disso, servirá, também, para criação de UTIs, contratação e pagamento de profissionais de saúde.

O PSL, através do trabalho de seus integrantes no Congresso Nacional, continua ativo na aprovação de recursos para o combate da pandemia e o equilíbrio da economia.

Além disso destinamos R$ 2 milhões para a Saúde em Mongaguá, continuando o nosso trabalho para reforçar o Sistema de Saúde do estado de São Paulo, por meio de uma emenda direcionada para o investimento na Atenção Especializada em Saúde do município. 

No mês de maio, enviei um ofício à Petrobras e ao Ministro da Economia, Paulo Guedes, reivindicando uma reavaliação sobre o fechamento da unidade da empresa no município de Santos e a transferência das operações para a cidade do Rio de Janeiro. Expliquei sobre os astronômicos prejuízos que a população sofrerá com essa medida, pois de acordo com uma pesquisa realizada pelo IBEPS sobre o fechamento gradual do prédio da Petrobrás no Valongo (Edisa), a região perderá cerca de R$ 309 milhões por ano. São drásticas as perdas que atingirá diversos segmentos da economia local, como habitação, transportes, alimentação, saúde, educação, vestuário e tributos. Ressaltei que a cidade também perderá cerca de 2 mil empregos diretos e indiretos com a transferência de 937 trabalhadores que atuam em sete plataformas da Bacia de Santos para o Rio de Janeiro. Não podemos aceitar que a economia do município de Santos receba esse golpe que afetará milhares de pessoas em especial nesse momento de crise econômica e pandemia. 

Pedi sensibilidade para avaliar a questão, e frisei que não consideramos plausível, razoável e nem justificável, essa medida que prejudicará de forma tão violenta o município de Santos, e consequentemente, toda a Baixada Santista. Apesar da primeira resposta negativa, seguimos lutando incansavelmente para reverter essa decisão.

É importante ressaltar que não é só a Baixada Santista que tem recebido a nossa atenção, mas sim o Estado de São Paulo como um todo. Nas últimas semanas a prefeitura de Onda Verde recebeu dois ventiladores de transporte pulmonar para reforçar o combate à Covid-19 na Rede de Saúde Pública Municipal. Os equipamentos foram repassados por nós através de emenda parlamentar. Os dois ventiladores já estão no Centro de Saúde, base de atendimento de pacientes do novo coronavírus.

A cidade de Amparo também recebeu respiradores que direcionamos para a Santa Casa Anna Cintra. Os equipamentos já estão à disposição de toda a região, uma vez que o hospital também atende as cidades de Serra Negra, Lindóia, Águas de Lindóia, Monte Alegre do Sul e Santo Antônio de Posse. Esses são apenas exemplos efetivos das nossas ações em prol da saúde de todo o Estado de São Paulo.

Nós vestimos a camisa dos trabalhadores portuários e batalhamos pela aprovação a MP 945/20, de suma importância para todo o setor. A medida determina o afastamento remunerado dos trabalhadores portuários avulsos (TPA) que estiverem no grupo de risco da Covid-19 ou que apresentarem sintomas indicativos da doença. 

A matéria prevê também, indenização para os trabalhadores avulsos que contraíram a doença, os que estão em isolamento por conviverem com pessoa diagnosticada com a virose, as gestantes ou lactantes, trabalhadores acima de 65 anos que não comprovar aptidão com as atividades, e diagnosticados com imunodeficiência, doença respiratória ou doença crônica ou grave, como doença cardiovascular e respiratória. 

Fiz de tudo que estava ao meu alcance, inclusive apresentei três emendas a essa MP, visando beneficiar os trabalhadores do setor portuário, garantindo mais segurança a eles durante a pandemia do coronavírus.

Voltando para a saúde, como Presidente da Frente Parlamentar Mista de Combate às Hepatites Virais, não medi esforços para atender todas as entidades, buscando soluções e assistência aos portadores. Inclusive, uma das grandes vitórias do nosso mandato foi a portaria publicada pelo Ministério da Saúde que facilita o acesso aos medicamentos. Com a medida, foi alterado o mecanismo de fornecimento do componente especializado para o estratégico, possibilitando assim maior abrangência, menos burocracia e acesso direto aos medicamentos tão necessários para quem sofre desta doença. De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 325 milhões de pessoas no mundo vivem com infecção crônica causada pelos vírus da hepatite B ou C. 

Existem muitos engenheiros de obras feitas, mas o histórico de trabalho não mente. Contra fatos não há argumentos e contra discursos politiqueiros entregamos ações. Para mim o mais importante é o resultado, é ver a população da nossa região atendida nas demandas essenciais.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.