Dad Squarisi

Dad Squarisi fez curso de letras na UnB. Tem especialização em linguística e mestrado em teoria da literatura. É editora de Opinião do Correio Braziliense e comentarista da TV Brasília.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Pelé, 80 anos

Dicas de português

Recado

“No futebol, o pior cego é o que só vê a bola.”

Nélson Rodrigues

Como caracterizar 2020? Não faltarão adjetivos. Um deles é surpreendente. Em 10 meses aconteceu de tudo – de pandemia a dinheiro na cueca. Valha-nos, Senhor! Mas, aqui e ali, pintam boas notícias. Uma delas relembra velhos tempos, traz alegria e brilho nos olhos: Pelé completa 80 anos.

Clique aqui e assine A Tribuna por apenas R$ 1,90. Ganhe, na hora, acesso completo ao nosso Portal, dois meses de Globoplay grátis e, também, dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Quem não assina embaixo destas palavras do Rei do Futebol? “As pessoas tentam encontrar um novo Pelé, mas isso não pode ser. Como na música, em que só existe um Frank Sinatra e um Beethoven, ou nas artes, com um único Michelangelo, no futebol só há um Pelé.” Data tão especial mereceu livro novo – De casaca e chuteiras, de Silvestre Gorgulho, lançado no Museu do Futebol.

Sua Majestade

O tratamento dado a rei é majestade. Por quê? Majestas, em latim, quer dizer poder. Na língua dos Césares e na de Camões, Pessoa, Machado & cia. talentosa, majestade, majestoso, majestático & derivados se escrevem assim, com j.

80º aniversário

Pelé apaga 80 velinhas para comemorar o octogésimo aniversário. Que tal relembrar os ordinais de 1 a 10 e de 10 a 100? Ei-los: primeiro, segundo, terceiro, quarto, quinto, sexto, sétimo, oitavo, nono, décimo, vigésimo, trigésimo, quadragésimo, quinquagésimo, sexagésimo, septuagésimo (setuagésimo), octogésimo, nonagésimo, centésimo.

Olho vivo

Numeral ordinal tem alergia ao hífen. Pra evitar espirros e erupções na pele, deixe o tracinho longe da criatura tão sensível. Assim: décimo primeiro, octogésimo sétimo, centésimo décimo terceiro.

Herança real

Futebol é... futebol. A palavra, que veio da língua da rainha, tem duas partes. Uma: foot, que quer dizer pé. A outra: ball, que significa bola. Em bom português: bola no pé. Nacionalistas tentaram colorir de verde-amarelo o nome do esporte. Chamaram-no balípodo. Inspiraram-se no grego ballo (lançar) e podós (pé). A novidade não pegou. Virou folclore.

Embaixadinha

Pelé sobressaiu em todas as jogadas. Brilhou nos dribles, nas bicicletas e nas embaixadas. Hábil, dava sucessivos toques na bola – com os pés, as coxas, os ombros ou a cabeça – sem que ela tivesse contato com o chão. O espetáculo se chama embaixada. Mas o nome não tem nada a ver com representação diplomática, Itamaraty & cia. Tem a ver com a forma como se toca na pelota – por baixo. Malandro, o pé começa a manobra embaixo da redonda.

Vamos, Brasil

Nas partidas da Seleção Canarinho, os brasileiros vibram. Em coro, gritam: “Vamos, Brasil”. Viu? Brasil é o ser a quem os torcedores se dirigem. É o vocativo. Daí a vírgula. Há exemplos pra dar, vender e emprestar: Vem cá, Maria. Deus do céu, escutai a nossa prece. Pra frente, Brasil. Pai nosso, que estais no céu... Deus, ó Deus, onde estás que não mês escutas?

Ao hexa

A Seleção Brasileira é a mais bem-sucedida do planeta. Só ela conquistou cinco campeonatos mundiais. Agora torcemos pelo sexto. Quando chegar lá, estejamos preparados para lidar com a grafia do hexa. A desejada dos brasileiros pede hífen? Ou dispensa o tracinho? Ela exige o elo quando seguida de h e a. Nos demais casos, vem tudo junto: hexa-homenagem, hexa-advertência, hexacampeão, hexadecimal, hexarreator, hexassubstituto.

Mesmo time

Bi, tri, tetra & demais familiares com mania de grandeza têm as mesmas manhas do hexa. Na grafia, seguem as três regras de ouro do emprego do hífen. A primeira: o h, majestoso, não se liga a nada nem a ninguém (bi-humano, anti-histórico, tri-herói). A segunda: os iguais se rejeitam. Separam-se, por isso, com o tracinho (bi-ilíaco, contra-ataque, tetra-atleta). A última: os diferentes se atraem (bissexual, tricampeão, autoescola, tetrassistema).

Leitor pergunta

A história do dinheiro na cueca me deixou curioso. Qual a etimologia do cofre do senador?

Augusto Cero, Brasília

Cueca tem duas partes. Uma vem do latim culus, que quer dizer cu, ânus, bunda. A outra vem do grego eca, que significa domicílio. Em português claro: cueca é a casa do... bumbum.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.