Cida Coelho

É fonoaudióloga formada pela PUCSP, especialista em Voz com larga experiência na preparação de repórteres e apresentadores de televisão. Atua como consultora em Comunicação Humana ministrando palestras e treinamentos individuais para profissionais liberais, empresários, políticos, atletas profissionais, executivos e equipes de liderança. É palestrante de Media Training para porta-vozes de empresas e atua como consultora da TV Tribuna, afiliada da Rede Globo em Santos, desde 1995. Acumulando os títulos de mestre e doutora, Cida também foi professora universitária durante 25 anos.

O desafio da observação em três passos

Pare de dar uma lista de instruções a si mesmo e entenda como o poder da observação pode te ajudar a falar melhor

A modernidade nos trouxe muitos benefícios, mas nos afastou de alguns passos simples e essenciais para o aprendizado de qualquer habilidade: A observação. 

Talvez você ache estranho, mas eu asseguro que dá certo. Se quisermos aprender uma habilidade nova, precisamos observar mais e pensar menos. A  observação de modelos corretos tem efeito mais positivo do que a repetição de instruções verbais. Quem afirma isso é o Timothy Gallwey, autor de 'O Jogo Interno do Tênis'. Como todo instrutor ou professor particular de esportes, ele falava muito durante as aulas. Ele achava que esse era o jeito certo de ensinar. Achava que quanto mais direcionasse verbalmente seus alunos, melhor seria o desempenho deles. 

Só que ele começou a perceber que as instruções verbais pareciam mais atrapalhar do que ajudar. Pareciam diminuir a probabilidade de ajudar o aluno a se corrigir. Aí ele decidiu mudar sua estratégia. Começou a pedir para os alunos que, simplesmente, observassem seus movimentos, tentando captar uma imagem visual de cada golpe e imita-los inconscientemente. Não era para pensar ou descrever o que ele fazia, mas simplesmente acompanhar e reproduzir o gesto mentalmente.

Não poderia haver uma analogia mais perfeita para uma boa performance comunicativa. Evidentemente, uma boa comunicação sempre é precedida por um planejamento estratégico, por uma boa preparação do conteúdo. Isso não se discute. Mas, assim como no jogo de tênis, criar uma “memória motora” das inúmeras possibilidades da expressividade da comunicação, também é essencial. Para isso, criar uma “imagem visual e imita-la inconscientemente” ajuda muito.

Quer tentar ver os benefícios dessa técnica?  Então, vou te desfiar com o exercício da “Redublagem”. Preste atenção:

Escolha uma pessoa da sua área de atuação,  que você considere uma de  suas referências em comunicação .

Assista um vídeo dessa pessoa prestando atenção em como ela faz para ganhar e manter a atenção das pessoas, como varia  a voz, como se movimenta e como se expressa através da face e das mãos.

Depois assista o vídeo de novo, dessa vez, repetindo a fala dessas pessoas, ao mesmo tempo que ela,  como se estivesse “arremedando”. É falar por cima, mesmo! Procure imitar inclusive os gestos e expressões.

Lembrando que esse não é um exercício teatral, e nem queremos que você aprenda a “ser” outra pessoa, pelo contrário. Você vai se surpreender com a sua flexibilidade vocal e de expressividade. Bem parecido com o que acontece com nosso corpo nos exercícios de flexibilidade muscular. Além disso, vai começar a perceber que existe uma capacidade de infinitas combinações para uma comunicação mais efetiva e empática. Uma boa comunicação é o resultado de inúmeros fatores, mas eu garanto que dedicar um tempo a essa tarefa da “observação” vai contribuir muito para sua performance!

Intensifique seu poder de observação assistindo vídeos e ouvindo podcasts!

Bom treino!

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.