Cida Coelho

É fonoaudióloga formada pela PUCSP, especialista em Voz com larga experiência na preparação de repórteres e apresentadores de televisão. Atua como consultora em Comunicação Humana ministrando palestras e treinamentos individuais para profissionais liberais, empresários, políticos, atletas profissionais, executivos e equipes de liderança. É palestrante de Media Training para porta-vozes de empresas e atua como consultora da TV Tribuna, afiliada da Rede Globo em Santos, desde 1995. Acumulando os títulos de mestre e doutora, Cida também foi professora universitária durante 25 anos.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Como um avatar pode melhorar a sua comunicação nos videos?

Quer parecer mais natural nos vídeos? Ative no seu cérebro a imagem do seu avatar e converse com ele

A ideia de “aparecer” em um vídeo ainda faz muita gente suar frio. Se o vídeo for pra fins profissionais é pior ainda. Recentemente, um amigo me confidenciou, desanimado: “Cida, eu me transformo quando tenho que gravar um vídeo. Nem  parece que sou eu!  É só saber que está gravando, que eu  travo. Já tentei decorar, ler num papel perto da câmera, e nada dá certo. O que eu faço?”

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Bem, primeiro: decorar, ler e falar de forma espontânea são três coisas completamente diferentes. Cada  uma dessas tarefas recruta áreas diferentes do nosso cérebro. Isso faz com que o resultado seja totalmente diferente. Se você não é jornalista que grava em estúdio com teleprompter, nem ator que  está treinado para decorar suas falas,  não recomendo ler ou decorar  seu conteúdo. Gravar vídeos não é tarefa fácil pra nenhum de nós. Há muita coisa envolvida. Da insegurança com o visual, ao medo do fracasso, a lista é grande. 

Mas, se ainda assim, você deseja, parecer natural e espontâneo, o melhor mesmo é apostar no básico: planejar primeiro, fazer um roteiro apenas com as palavras chave, olhar pra câmera, e falar como se estivesse conversando com um amigo.

E é sobre esse último passo, falar como se estivesse falando com um amigo, que vamos conversar hoje. Ter alguém em mente na hora de gravar, ajuda muito a evocar a espontaneidade. Por isso, é comum a gente ouvir essa sugestão:  “faz de conta que você está falando para um amigo”. Mas nem sempre esse tal “amigo” representa o destinatário ideal do seu vídeo. Pra ajudar a resolver esse dilema, vamos pegar do Marketing, um conceito que vai nos ajudar. É o AVATAR, que grosso modo, significa público-alvo. Só que é mais do que isso. Para construirmos o nosso AVATAR, precisamos conhecer um pouco mais das pessoas pra quem se destina o nosso vídeo. Aspectos como gênero, idade, profissão são importantes. Mas para o nosso AVATAR ficar completo precisamos de mais detalhes:  quais as suas dores, suas necessidades, seus desejos?  Quais são seus hábitos?  Enfim, precisamos ter uma imagem muito concreta de com quem estamos nos comunicando. Quando isso não acontece, nós falamos, mas não nos comunicamos. Não atingimos, não nos conectamos.

Então, na hora que você for  gravar seu próximo vídeo,  não pense só no seu assunto. Pergunte a si mesmo, com quem você quer se comunicar, pra quem você quer entregar o seu recado. Ative no seu cérebro a imagem do seu AVATAR. e converse com ele. As chances da sua fala ficar mais direta, simples e natural vão aumentar bastante.

Boa sorte!

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.