Cida Coelho

É fonoaudióloga formada pela PUCSP, especialista em Voz com larga experiência na preparação de repórteres e apresentadores de televisão. Atua como consultora em Comunicação Humana ministrando palestras e treinamentos individuais para profissionais liberais, empresários, políticos, atletas profissionais, executivos e equipes de liderança. É palestrante de Media Training para porta-vozes de empresas e atua como consultora da TV Tribuna, afiliada da Rede Globo em Santos, desde 1995. Acumulando os títulos de mestre e doutora, Cida também foi professora universitária durante 25 anos.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Como conversar com quem pensa muito diferente de nós

Nossa paciência e tolerância estão cada vez mais escassas para jogar conversa fora no Facebook, em grupos de WhatsApp e até mesmo nas reuniões de família

A escassez de tempo que assola nossa vida urbana tem mudado nosso comportamento em vários sentidos. Mas um deles me toca particularmente: nosso comportamento social. A ferramenta que usamos pra nos relacionar socialmente, que é a comunicação, está sendo igualmente modificada e sequer percebemos isso no dia-a-dia.

Nossa paciência e tolerância estão cada vez mais escassas para jogar conversa fora no Facebook, em grupos de WhatsApp, e até mesmo nas reuniões de  família. A situação fica pior ainda quando somos confrontados a uma desagradável conversa com quem pensa muito diferente de nós.

Diante de qualquer tema complexo e que gere naturalmente uma polarização na base do contra e a favor, muitos de nós nem perde tempo em discutir. É tão claro para nós que nossos argumentos são superiores, que, quase sempre, sequer prestamos atenção aos argumentos contrários.

Preocupados com essa mudança de comportamento comunicativo e social, o portal “Papo de Homem”, em parceria com o Instituto Avon, desenvolveram uma extensa pesquisa, que ouviu 9000 pessoas.

Os resultados foram publicados no inicio desse ano, no livro “Derrubando muros e construindo pontes – como conversar com quem pensa muito diferente de nós”. O ponto central da pesquisa foi a busca por entender quais os maiores entraves que se apresentam quando se debatem ideias diferentes.

Após cruzar os dados, os pesquisadores chegaram a inúmeras conclusões, mas eu gostaria de destacar os 3 grandes perfis  de pessoas que ela revelou:  No primeiro, estão as “pessoas  construtoras de pontes”, aquelas que gostam e procuram conversar com quem pensa diferente delas  e que representam apenas 15% da população nacional.

O segundo perfil é o de “pessoas entre muros”, onde estão as pessoas que menos buscam dialogar com quem pensa diferente, pois raramente tem paciência para isso. Elas representam 35% da população. Os outros 50% compõem o terceiro perfil que é o de “pessoas em trânsito”: dependendo do contexto, podem ser mais abertas ou fechadas, confiam no diálogo apesar de certo cansaço com o tema.

A contribuição trazida pela pesquisa é gigantesca e coloca luz em um fenômeno para o qual temos dado pouca importância, mas que é de uma relevância enorme quando pensamos numa convivência humana mais sustentável e saudável para as próximas gerações. Eu convido você a conhecer melhor os detalhes visitando o site https://papodehomem.com.br/pontes/. Lá você consegue baixar o livro digital gratuitamente, além de um “Guia para conversar com quem pensa muito diferente”.

Há ainda uma outra publicação: “Guia de boas práticas jornalísticas para construirmos mais e melhores pontes”. E se quiser ir mais fundo ainda, eles disponibilizam uma apresentação com duzentos slides com todos os cruzamentos possíveis de dados, já que o livro apresenta apenas os mais relevantes. E se tiver mais quinze minutos, assista o minidocumentário baseado na pesquisa. Vale muito a pena! https://www.youtube.com/watch?v=8pAK37I1c0w&feature=youtu.be

Conhecer esse estudo renovou minhas esperanças. Que possamos juntos, adotar novas práticas para engrossar o grupo de “pessoas construtoras de pontes”. Com novas e boas conexões comunicativas, para que nosso lado mais humano sempre prevaleça!

“Esse é o grande desafio da comunicação. Entender que as pessoas partem de lugares diferentes, e que a linguagem importa, importa muito! As palavras tem poder”

Mafoane Odara, coordenadora de projetos do Instituto Avon

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.