EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

19 de Outubro de 2019

Cida Coelho

É fonoaudióloga formada pela PUCSP, especialista em Voz com larga experiência na preparação de repórteres e apresentadores de televisão. Atua como consultora em Comunicação Humana ministrando palestras e treinamentos individuais para profissionais liberais, empresários, políticos, atletas profissionais, executivos e equipes de liderança. É palestrante de Media Training para porta-vozes de empresas e atua como consultora da TV Tribuna, afiliada da Rede Globo em Santos, desde 1995. Acumulando os títulos de mestre e doutora, Cida também foi professora universitária durante 25 anos.

A nova geração de introvertidos

Precisamos (e muito) da sensibilidade, do poder de reflexão e da capacidade de concentração dos introvertidos

Ela é quieta e não gosta de ser o centro das atenções. Fala baixo e desvia o olhar quando conversa. Não gosta de locais barulhentos nem com muita gente e faz qualquer coisa pra não ter que falar diante da classe. Dá pra imaginar a preocupação dos pais de uma garota com essas características? O que será da minha filha? Quem dará emprego a uma pessoa assim, tão pouco sociável? Não tem espaço nesse mundo pra ela! Como eu posso ajudá-la?

Quem traz as respostas pra essas perguntas que afligem tantos pais de crianças introvertidas ou tímidas é Susan Cain. Hoje ela é  uma palestrante disputada por empresas de grande porte como a Microsoft e a Google, e sua TedTalk está entre as mais assistidas com mais de 16 milhões de visualizações. Mas a sua  história de luta pra encontrar seu lugar ao sol, respeitando seu perfil introvertido é admirável.

Formada em Artes na Universidade de Princeton e em Direito na Universidade Harvard, dedicou-se, apaixonadamente, a compreender o conceito de introversão e extroversão.  Hoje, boa parte do seu tempo é dedicada à divulgação desses conceitos, com um foco na desestigmatização do conceito de introversão, quase considerado um defeito de caráter, quando analisado superficialmente, e à luz de um universo que valoriza tanto a extroversão.

Conheci seu mais recente livro, lançado em 2017 (O poder dos quietos para jovens – Como fortalecer as capacidades secretas da nova geração de introvertidos) absolutamente por acaso: na prateleira de livros mais escondida, daquelas bem rentes ao chão, numa feira de livros, na escola da minha filha, numa despretensiosa atividade de final de semana. Um tesouro escondido, mas no lugar certo. Uma escola!

Falar sobre o “ideal da extroversão” no ambiente escolar é mais que apropriado. É necessário e urgente. A extroversão é uma força poderosa na escola. Alunos mais comunicativos costumam ser os mais populares e consequentemente, mais recompensados por professores e colegas. As mudanças nas relações de trabalho, trazidas pela revolução pós-tecnológica, reforçam esse ideal, como uma força essencial. Evidentemente, a sociabilidade e a comunicabilidade são desejáveis e bem-vindas. Mas não são uma camisa de força na quais todos temos que nos encaixar. Pelo contrário.

Precisamos (e muito) da sensibilidade, do poder de reflexão e da capacidade de concentração dos introvertidos. Precisamos que os tímidos e os introvertidos compreendam seu “modo de funcionamento” e abandonem de vez sensação de inadequação. Precisamos, apenas, de pessoas livres para ser o que são para lutarem e persistirem em seus sonhos e seus talentos.

Recomendo muito a leitura do livro todo!

“O segredo da vida é colocar a si mesmo sob a luz certa...O amor é essencial, a sociabilidade é opcional”

Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.