Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto.

Acesse todos os textos anteriores deste colunista

Tubarão de duas cabeças e dois corações é achado no litoral de São Paulo

Nascimento de tubarão siamês pode ter sido provocado pela poluição no mar

Pesquisadores brasileiros encontraram, entre as cidades de Peruíbe e Itanhaém, um raríssimo exemplar de um tubarão siamês. O animal, da espécie 'galhudo', tinha, além de duas cabeças, dois corações e duas colunas vertebrais.

Clique aqui e assine A Tribuna por apenas R$ 1,90. Ganhe, na hora, acesso completo ao nosso Portal, dois meses de Globoplay grátis e, também, dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

O biólogo Edris Queiroz e a pesquisadora Luana Felix, do Instituto de Biologia Marinha e Meio Ambiente de Peruíbe, foram os responsáveis por estudar o animal e informaram que esse é o primeiro caso do mundo, envolvendo essa espécie, registrado e documentado na literatura.

"É um acontecimento muito raro. Devemos ter mais ou menos 10 casos no mundo de espécies diferentes. O problema é que eles morrem rapidamente já que se tornam presas muito fáceis", explicou Edris ao G1. Segundo os pesquisadores, a anomalia pode ser causada por conta da poluição dos mares.

"Talvez seja possível chamar atenção para os problemas que têm ocorrido nos ambientes marinhos. Esse estudo vai ajudar a buscarmos medidas que auxiliem na preservação e conservação das espécies", acredita Edris. O estudo também contou com a participação dos professores Alberto Amorim e Eduardo Malavasi, do Instituto de Pesca de Santos.

Tubarão Galhudo
Também conhecido como tubarão-corre-costa ou tubarão-cinzento, o animal é nativo dos oceanos Indo-Pacífico e Atlântico. Ele pode chegar a quatro metros de comprimento e 240 quilos e tem predileção por águas rasas. O animal não é considerado raro e nem está ameaçado de extinção.

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.