EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

23 de Agosto de 2019

Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto e é comentarista da TRI FM.

Advogado de Santos cai no golpe do WhatsApp e bandido tira onda: 'Não me amola'

Irmão de vítima, que não foi avisado em um tempo hábil para se precaver, acabou depositando a quantia de R$ 3,7 mil para o criminoso

O golpe do WhatsApp fez mais uma vítima em Santos. Desta vez, um advogado, de 37 anos, teve o celular clonado. O irmão dele, que não foi avisado em um tempo hábil para se precaver, acabou depositando a quantia de R$ 3,7 mil para o criminoso que, não satisfeito, ainda tirou sarro da vítima.

De acordo com o advogado Clodoaldo Lima, após perder o acesso da conta, o WhatsApp ainda acabou o bloqueando por 12 horas. Ele chegou a correr para avisar todos seus contatos mas, desta vez, o bandido acabou agindo mais rápido. "Eu tentava acessar e dava falha de segurança. Eu virei o hacker. Ele me clonou e eu que não conseguia acessar", lamenta.

Golpe do WhatsApp chega à Baixada Santista. Saiba como não cair nele!

O advogado só percebeu que era vítima de um golpe quando recebeu uma mensagem do sócio perguntando se ele estava precisando de dinheiro. Um dos colegas do advogado ainda questionou o golpista, que retrucou pedindo para 'não ser amolado' e ironizou falando que tinha conseguido R$ 7.500, já que a vítima tinha 'crédito na praça'.

Em alguns casos, é possível bloquear a transferência. Clodoaldo, porém, não conseguiu, já que o bandido sacou o dinheiro menos de cinco minutos após a quantia cair na conta falsa, localizada em um banco da Bahia. Ao registrar a ocorrência, os próprios policiais afirmaram que seria muito difícil localizar o bandido. "Se a própria polícia diz que não vai dar em nada é bem preocupante" reclamou.

 

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.