EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

20 de Maio de 2019

Paralisação de estivadores será definida nesta terça-feira

Proposta é iniciar greve no próximo dia 1°, mesma data em que terminais de contêineres podem passar a utilizar apenas trabalhadores avulsos contratados

O Sindicato dos Estivadores de Santos, São Vicente, Guarujá e Cubatão (Sindestiva) vai realizar, nessa terça-feira (26), uma assembleia para decidir se a categoria entra em greve a partir de sexta-feira, 1° de março. Nessa mesma data, terminais de contêineres do Porto de Santos poderão passar a utilizar apenas trabalhadores portuários avulsos vinculados (contratados com base na CLT) em suas operações de carga, segundo decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

A assembleia será às 9h, na sede do sindicato, na Rua dos Estivadores, 101, no bairro Paquetá.

De acordo com o presidente do sindicato, Rodnei Oliveira da Silva, a categoria avalia realizar a paralisação devido à disputa com a Câmara de Contêineres do Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo (Sopesp). “A medida permite que os terminais de contêineres não contratem mais estivadores avulsos. Eles não querem negociar. Oficializamos a pauta em dezembro. A última campanha não avançou, nem a anterior. Então, a gente precisa fazer alguma coisa”, afirma.

Procurada pela Reportagem, o Sopesp afirmou que, no momento, não vai se pronunciar sobre as alegações. 

Também nessa terça-feira, mas às 14h, os estivadores vão participar de audiência pública para debater a perda dos postos de trabalho no Porto de Santos, na Câmara Municipal. O evento será presidido pelo vereador Francisco Nogueira (PT), e a categoria vai aproveitar a oportunidade para comunicar sua decisão sobre a greve. Segundo a Câmara de Santos, o Sopesp, a Secretaria Municipal de Assuntos Portuários, Indústria e Comércio e a Federação Nacional dos Operadores Portuários, assim como vereadores, foram convidados para participar da discussão.