Navio Srakane é rebocado para estaleiro em Guarujá

O navio Srakane, que manteve tripulantes sem alimentos e salários em alto-mar, precisou ser rebocado para reparos em um estaleiro de Guarujá

O navio Srakane, que manteve tripulantes sem alimentos e salários em alto-mar, precisou ser rebocado para reparos em um estaleiro de Guarujá. A operação chamou a atenção de quem passava pela orla de Santos no início da tarde desta seta-feira (2).

Conforme apurado pela Reportagem, o navio, de bandeira panamenha, chegou à Barra de Santos ontem. Segundo a Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP), antes de chegar ao complexo, o cargueiro passou pelo Porto de São Sebastião, no Litoral Norte. 

A embarcação, que transporta carga geral, apresentou problemas de máquina. Por conta disso, o navio foi rebocado por duas embarcações. O Srakane fará os reparos no estaleiro da Wilson Sons, que fica na Margem Esquerda.

O cargueiro de bandeira panamenha foi alvo de uma polêmica em julho. Isto porque a tripulação ucraniana da embarcação ficou meses em alto-mar sem comida e água. Os marítimos foram substituídos por brasileiros.

Além da escassez de alimentos e de atrasos nos salários de tripulantes, por conta da pandemia da covis-19, o navio tentou atracar em alguns portos europeus e na África, mas os países negaram os pedidos. 

O Ministério Público do Trabalho chegou a entrar na Justiça para reivindicar a repatriação e pagamento de salários atrasados dos tripulantes. Na época, a estimativa era de que a dívida chegava a US$ 177 mil. 

Procurada, a agência responsável pela embarcação não respondeu aos questionamentos da Reportagem até o fechamento desta edição. 

Tudo sobre: