Ministro da Infraestrutura prevê 'revolução' no Porto de Santos

Segundo Tarcísio Gomes de Freitas, a mudança será sentida a partir dos investimentos nos acessos ao complexo portuário e nos terminais

“Santos vai passar por uma revolução”, afirmou o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, durante a assinatura dos contratos de arrendamento dos terminais portuários STS14 (pela Eldorado Celulose, outorga de R$ 250 milhões) e STS14A (Bracell Celulose – R$ 255 milhões), no armazém da Eldorado. De acordo com ele, essa mudança será sentida a partir dos investimentos nos acessos ao complexo portuário e nos terminais.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal, GloboPlay grátis e descontos em dezenas de lojas, restaurantes e serviços!

Freitas ressalta que para 2021 há grande otimismo para a retomada na economia e para isso garante que a União vai continuar fazendo leilões. “O Ministério da Infraestrutura vai transferir para a iniciativa privada mais de 50 ativos. Nosso programa de concessão vai andar a passos largos, a pleno vapor”. Ele citou que serão dezenas de terminais portuários, quatro já em dezembro, e a publicação de outros seis editais. 

“No ano que vem, teremos em Santos o leilão do STS08 (granéis líquidos, especialmente combustíveis) e STS08A (granéis líquidos e gasosos), que vai ser o maior leilão de arrendamento portuário dos últimos 20 anos”. 

O ministro apontou os investimentos previstos com as novas concessões vão tornar o Porto de Santos no “maior porto do Hemisfério Sul”.  “Vamos sair de 160 milhões de toneladas de capacidade para 240 milhões de toneladas de capacidade. Estamos adequando o Porto para receber embarcações cada vez maiores, como os 366, isso é uma questão de tempo”.  
As concessões mencionadas incluem também a Autoridade Portuária de Santos. Freitas destacou que, o primeiro leilão de desestatização portuária será no porto do Espírito Santo. “Estamos colhendo todas as lições aprendidas para na sequência fazer em Santos”.

Agenda de inaugurações 

Antes de participar do evento para a assinatura dos contratos de arrendamento, que ainda vão garantir R$ 380 milhões de investimentos da Eldorado e Bracell em suas novas áreas, na Ponta da Praia, o ministro visitou a Tiplam VLI, pela manhã, e a DP World à tarde. 

Na primeira parada, participou da inauguração de dois armazéns de açúcar construídos em a partir de uma parceria entre a Tereos (empresa líder na exportação de açúcar), que investiu R$ 145 milhões e a VLI, que aportou R$ 60 milhões. 

As unidades são uma na cidade de Guará (SP), de onde parte a carga até a nova unidade no Porto de Santos. Ambos têm capacidade para 240 mil toneladas vão impactar em um aumento estimado em 60% nas exportações da Tereos nesta safra – o armazém está em operação desde maio de 2019. 

O ministro também esteve no lançamento do novo complexo de celulose da DP World Santos e Suzano, que está instalado na margem esquerda do Porto de Santos e que começou as operações em abril. 

A empresa ressalta que, em seis meses de operação, a celulose já responde por 15% do faturamento da DP World Santos – o complexo recebeu investimentos de R$ 700 milhões, e conta com um armazém com capacidade estática para mais de 150 mil toneladas da matéria-prima.

Tudo sobre: