EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

14 de Outubro de 2019

Policiais sobrevivem a ataque de bandidos em Santos: 'Não morremos porque Deus não quis'

Trio abriu fogo contra duas policiais na manhã desta terça-feira (9). Policiais em patrulhamento em outros bairros foram acionados e conseguiram prender os marginais

“Só não morremos porque Deus não quis”. O desabafo é de uma cabo da Polícia Militar. Ela e uma colega soldado foram atacadas por três homens, que chegaram atirando na manhã desta terça-feira (9), em Santos. O trio fugiu em seguida, mas foi capturado. Acusados de roubar cargas, dois já eram procurados.

Foram seis disparos em plena luz do dia, às 8h40, na Rua Evaristo da Veiga com a Avenida Bernardino de Campos (Canal 2), no Campo Grande. Por ser local de movimento, a viatura modelo SpaceFox, prefixo I-06508, lá estava parada estrategicamente.

De repente, surgiu um Honda City prata com três marginais e um deles desembarcou. “Ele desceu de arma em punho atirando. Só tivemos tempo de nos abrigar atrás da viatura”, detalhou a cabo. Um dos disparos atingiu de raspão a lateral esquerda do seu casaco, na altura do ombro.

Cinco dos seis disparos atingiram a viatura policial (Foto: Eduardo Velozo Fuccia/AT)

O projétil não chegou a acertar o colete à prova de balas usado pela cabo sob o casaco. Os outros cinco tiros atingiram a viatura. As policiais sequer tiveram tempo de revidar, mas logo irradiaram o atentado à rede da Polícia Militar.

Policiais em patrulhamento em outros bairros foram acionados e conseguiram capturar Denilson Brito Rodrigues, o Oclinhos, de 25 anos; Elias Rabelo dos Santos, o Liliu, da mesma idade, e Leonardo Edson Rios de Jesus, o Robinho, de 21.

Tomado de assalto em São Vicente e já ostentando placa falsa, o City colidiu em um poste metálico de sinalização de trânsito no Canal 2 com a Rua Paissandu, na Vila Belmiro. Robinho era quem dirigia o carro e foi preso no local.

Oclinhos e Liliu correram para direções diferentes, mas foram alcançados e presos. Apontado como o autor dos disparos contra a cabo e a soldado, Oclinhos portava uma pistola calibre 380 e a dispensou na fuga, mas os policiais conseguiram recuperar a arma.

Roubos de carga

Foragido desde o final do ano passado da Penitenciária de Pacaembu, quando obteve o benefício de saída temporária, mas não retornou ao estabelecimento, Oclinhos está condenado a nove anos e seis meses de reclusão por tráfico de drogas e roubo.

A pedido da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos, Oclinhos e Liliu estão com prisão temporária decretada pela Justiça. Eles são alvos de cerca de 15 inquéritos policiais de roubo de carga, mas não se descarta a participação da dupla em outros crimes.

Oclinhos e Liliu são alvos de cerca de 15 inquéritos policiais de roubo de carga (Foto: Eduardo Velozo Fuccia/AT)

“Em todos os roubos, os motoristas foram sequestrados até as cargas serem levadas para outros locais. Em um dos crimes houve a subtração de três toneladas de frango congelado, receptada pelo dono de um supermercado no Morro da Nova Cintra”, informou o chefe dos investigadores da DIG, Paulo Carvalhal.

Após a prisão do trio, uma equipe da DIG foi até a casa de Liliu, no Morro São Bento, e lá recuperou caixas de mantimentos roubadas recentemente de uma empresa que comercializa cestas básicas.

Em relação ao episódio desta terça-feira (9), o delegado Leonardo Piccirillo autuou o trio em flagrante por tentativa de latrocínio. Ele entendeu que os marginais atiraram nas policiais para roubar as armas delas.