O mercado de trabalho está mudando, como se preparar? Coach de carreiras dá dicas; confira

Profissões que mais cresceram estão ligadas às áreas de saúde, educação, agroindústria e tecnologia da informação

Por: Daniel Keppler  -  28/12/18  -  18:13
  Foto: Adobe Stock

O Ministério do Trabalho divulgou, este mês, a Relação Anual de Informações Sociais (Rais) de 2017, revelando um dado significativo: nos últimos dez anos, cresceu a quantidade de profissionais ligados à área de saúde, educação infantil, agroindústria e tecnologia da informação.


A ocupação que mais cresceu no período analisado está relacionada ao envelhecimento da população. Os cuidadores de idosos tiveram um aumento de 547%, passando de 5.263 profissionais em 2007 para 34.051 em 2017. Na saúde, ainda se destacaram outras carreiras, como técnico de enfermagem (197%) e fisioterapeuta geral (159%).


Entre as profissões com maior avanço, ainda ainda estão a de professor de nível superior na educação infantil (398%), preparador físico (327%), operador de colheitadeira (252%) e analista de informações (224%).


Reflexo da sociedade


O coach em Recursos Humanos Allan Lopes analisa que algumas das profissões em alta no Brasil refletem as mudanças vividas pelo mercado e na sociedade nos últimos anos. "A área da saúde, por exemplo, hoje em dia é uma tendência, porque as pessoas têm se preocupado em se cuidar, e a legislação também. A proibição do fumo em locias fechados é um exemplo", explica.


Mesmo assim, Lopes considera que é um risco para o profissional nortear sua carreira a partir das tendências que se apresentam, pois elas podem não se confirmar no futuro.


"Um exemplo forte disso foi a onda de cursos de Petróleo e Gás abertos há cerca de cinco anos na região. Falava-se muito sobre isso, e muita gente viu ali uma oportunidade, deixando de lado sua vocação para ir atrás de uma demanda que poderia surgir em pouco tempo. Até algumas universidades abriram cursos sobre a área. E deu no que deu", lembra.


O que fazer?


Para o coach, a melhor preparação que um profissional pode fazer para não ser pego de surpresa pelas mudanças do mercado é ficar atento às competências que são importantes, independente da carreira.


"Hoje em dia, o que mais se preza são as habilidades de relacionamento: gestão, trabalho em equipe, comunicação, capacidade de resolver conflitos. São as chaves para quem quer ter uma boa carreira", afirma.


Ele finaliza reforçando que isso não exclui a importância de se atentar para o que ele chama de "competências clássicas", como compromisso, saber ouvir, vestir a camisa da empresa. "Ainda são pedidas, pois muitas organizações ainda querem constituir relacionamentos de longo prazo com os funcionários".


Logo A Tribuna