EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

21 de Outubro de 2019

Fundação prepara jovens para desafios de empresas

Universitários e recém-formados podem se inscrever em programa até quarta-feira

Até quarta-feira, a Fundação Estudar, organização voltada à formação de líderes, recebe a inscrição de jovens universitários e recém-formados interessados em participar da seleção para o programa 'Trainee por um Dia'.

Será a oportunidade para 100 selecionados conectarem-se com executivos de empresas de grande porte, conhecerem as áreas de atuação das organizações e trabalharem na solução de problemas reais.

Conforme o supervisor de Produto da Fundação Estudar, Tito Ferraz, o Trainee Por Um Dia funciona como uma imersão no cotidiano da empresa. “Cada empresa apresentará três casos distintos para que os selecionados resolvam”.

Os desafios serão em áreas como Gente e Gestão, Operações, Financeira, Comercial e Marketing. Os participantes também vão aprender a realizar os pitches, ou seja, os momentos em que vão defender suas ideias e soluções.

“Em apenas um dia, os jovens irão resolver cases, realizar o pitch, receber feedbacks(retornos)sobre o desempenho, fazer networking (rede de contatos) com as empresas e outros participantes e desenvolver competências para processos seletivos”, diz o supervisor.

Socioemocional

Trabalhar em grupo e em situações comuns do dia a dia exige habilidades técnicas e socioemocionais. Segundo Ferraz, as empresas já observam a importância de selecionar o jovem talento também considerando esse perfil.

“Analisando, por exemplo, a capacidade de receber e analisar problemas complexos, de se manter positivo e confiante frente a dificuldades, de aprender rápido e aplicar conhecimento de forma criativa e de comunicar e se relacionar bem para resolver problemas em times”, comenta Tito Ferraz.

Para ele, a imersão colabora com essa questão e ajuda as empresas a encontrarem melhores maneiras de trabalhar com as novas gerações, potencializando o que elas têm de melhor.

“Se dos jovens é esperada a capacidade analítica, das empresas se espera que deem autonomia para eles cuidarem de problemas relevantes. Se dos jovens são esperadas criatividade e inovação, das empresas se esperam mais naturalidade e abertura ao erro e ao risco. Por fim, se esperamos resiliência dos jovens após problemas difíceis, das empresas é esperado o reconhecimento de acordo com o valor do que o funcionário entrega”, detalha Ferraz.

Ou seja, para ele, o programa da Fundação Estudar também é uma forma de reeducar as empresas sobre as necessidades atuais dos jovens que querem se consolidar no mercado de trabalho.

Tudo sobre: