EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

22 de Novembro de 2019

Zumbido em um ouvido ou nos dois pode ter uma entre tantas razões

Na dúvida, o melhor é procurar um médico o mais depressa possível

Uma situação passageira de estresse, reflexo de um problema auditivo, sintoma de uma doença crônica ou, até, um problema grave, como câncer. O zumbido no ouvido, situação muito comum, pode ter muitas origens. A ordem é marcar uma consulta e investigar sempre.

A médica otorrinolaringologista Sara Bittante Albino afirma que, em alguns casos, a pressão alta também provoca zumbido. Ele pode ser o primeiro sintoma de uma doença que ainda não se manifestou completamente. Então, é bom não deixar passar muito tempo.

“Quando a pessoa está estressada ou emocionalmente abalada, a percepção do zumbido pode incomodar muito. O inverso também acontece. Em alguns pacientes, o zumbido pode ser tão intenso que causa irritabilidade, falta de concentração e alterações no sono”, diz Sara.

A otorrinolaringologista Juliana Frozoni Lemes diz que, entre as causas do zumbido, estão perda de audição, infecções de ouvido, rolha de cerume e doenças do labirinto. “Nas causas originadas pelo organismo, estão diabetes, hipoglicemia, problemas da tireoide, colesterol, problemas cardiovasculares, depressão, ansiedade, problemas de coluna, dentre outras.”

Segundo Juliana, os zumbidos podem se manifestar de diversas formas: como se fossem apito, chiado, panela de pressão ou pulsar como as batidas do coração. “E podem variar em intensidade e piorar em algum momento do dia”, detalha.

O médico Matheus Moro Rabesquine, chefe do Serviço de Otorrinolaringologia da Santa Casa de Santos, explica que a maioria dos casos não é grave e tem chances de melhora a curto prazo.

“Caso os ruídos sejam agudos e começem a limitar o acesso a uma vida normal, a ajuda médica não pode ser dispensada. O tratamento adequado pode extinguir completamente possíveis problemas futuros. São tratamentos comportamentais, dietéticos e medicamentosos, de acordo com cada quadro”, diz.

Rabesquine cita orientações importantes para proteger os ouvidos. A primeira é evitar ruído excessivo, “como fones de ouvido em volume alto. Sempre proteger os ouvidos caso fontes de ruído não possam ser evitadas no trabalho ou tempo livre, usando tampões ou fones especiais”.

Evitar o estresse excessivo também é aconselhável. “E, quanto mais cedo receber aconselhamento de um especialista, após os primeiros sintomas de ruído no ouvido, e receber o tratamento adequado, melhores são as hipóteses de recuperação."

Tudo sobre: