EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

13 de Agosto de 2020

Você está cuidado bem do seu intestino?

Alimentação balanceada faz toda a diferença no organismo e no trato do órgão; e até seu humor pode influenciar nisso

Como anda o seu intestino? Se a resposta não for das mais animadoras, atenção: a alimentação tem tudo a ver com o funcionamento do órgão. Além dela, estudos também relacionam a saúde emocional à forma como ele está funcionando. 

“O intestino é um órgão importante, que absorve os micronutrientes (vitaminas e minerais). Nele, também são produzidas enzimas e hormônios como a serotonina, ligada ao bem-estar. Ou seja, ele está relacionado até com nosso humor”, explica a nutricionista Roberta Silva.

De acordo com a especialista em alimentação, é preciso cuidar bem do órgão para ter saúde. A alimentação faz a diferença na chamada microbiota intestinal – ou seja, no ambiente dele, onde estão as bactérias.

“Os probióticos são as bactérias boas e os prebióticos são as ‘comidinhas’ das bactérias boas. Fontes alimentares têm prebióticos. Alimentos como alho, cebola e biomassa de banana verde, quando consumidos, deixam as bactérias boas do intestino fortes. Isso até resolve alguns problemas intestinais”, explica Roberta.

Iogurtes e leites fermentados também são alimentos com prebióticos. A nutricionista ressalta a importância de haver um acompanhamento médico para analisar a necessidade de introduzir probióticos a quem necessita. Ter uma boa alimentação é meio caminho andado.

“Um cardápio balanceado deve ter verduras, legumes, frutas, cereais integrais, pão integral, aveia, linhaça, chia, iogurte. Beber água é importante. Melhora o sistema imunológico, além da questão da liberação de serotonina”.

Ruins

Assim como os bons, existem alimentos que só atrapalham. Entram na lista dos que prejudicam a missão os produtos ricos em açúcar, gordura e farinha branca, além dos alimentos alergênicos e inflamatórios.

A quem lida no dia a dia com problemas como intestino preso, deve-se rever a alimentação, incluindo as fibras. “Não se pode esquecer do grupo dos legumes, frutas e verduras todos os dias, além de tomar muita água – ao menos dois litros litros por dia”, contextualiza Roberta.

Observe

Contudo, se o paciente sofre com intestino preso mesmo mantendo alimentação saudável e uma rotina de exercícios físicos, é preciso ir a um profissional. Tudo começa com a análise sincera de como vão os hábitos alimentares. Inserir fibras pela manhã, como suco de laranja com mamão e linhaça, por exemplo, ajuda. 

“É válido observar consistência, formato e quantidade das fezes. Um profissional da Medicina pode explicar, inclusive, se esse fluxo está normal ou não”.

Equilíbrio

O médico gastroenterologista Luiz Henrique de Sousa Filho reforça a necessidade de haver um equilíbrio entre as bactérias boas que habitam a microbiota intestinal. Tudo em nome de nossa saúde digestiva, que teve seu dia mundial celebrado ontem, inclusive.

Um eventual desequilibro pode causar doenças inflamatórias como diarreia, intolerância a alimentos com glúten e lactose e outras doenças relacionadas, como diabetes tipo 2 e distúrbios comportamentais como hiperatividade, autismo e depressão.

Ele listou alguns hábitos que podem ser melhorados para ajudar nessa tarefa. Entre eles, estão diminuir consumo de embutidos e carnes vermelhas, beber muita água, aumentar o consumo de produtos naturais, praticar atividades físicas de forma constante e evitar o consumo de bebida alcoolica e cigarro, incluindo o modelo eletrônico.

“O consumo excessivo de bebida alcoólica pode causar sangramentos, vômitos, sintomas de refluxo (azia, dores na parte superior do abdome) e outras lesões e inflamações em todo o aparelho digestivo, como esôfago e estômago. Já o cigarro aumenta as chances de câncer de boca, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, cólon e reto. Além disso, ele contribui para várias doenças, como refluxo gastroesofágico, úlceras e algumas doenças do fígado, entre outras dificuldades”.

Tudo sobre: