EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

19 de Agosto de 2019

Trissomia 21 requer nutrição correta

Pessoas com Síndrome de Down precisam de maior quantidade de nutrientes na dieta para melhorar o desenvolvimento intelectual

Alimentação natural e nutritiva é importante para a saúde de todos, mas ainda mais significativa para as pessoas com Síndrome de Down, cujo desenvolvimento intelectual pode ser potencializado pela comida.

Um dos maiores especialistas nesse tipo de alteração genética, também chamada hoje em dia de trissomia 21, o pediatra e geneticista Zan Mustacchi esteve em Santos ontem para uma palestra sobre a importância da nutrição para a saúde, dentro do evento Encontro Fora de Série. O seminário, sobre inclusão de pessoas com Down, lotou o auditório da Associação Comercial de Santos (ACS).

Como numa aula de Biologia e Química, Zan detalhou o funcionamento do organismo para exaltar os alimentos naturais. “Quando eu ingiro produto natural, tenho potencial de 80% de absorção, passivamente, sem consumo de energia. Por outro lado, produto sintético possui absorção máxima de 20%, mas gastando energia do corpo”.

Isso se torna mais importante para pessoas com Síndrome de Down que, pelas condições genéticas, têm consumo 50% maior de cobre e zinco, elementos que protegem as transmissões elétricas do organismo, e sofrem com maior envelhecimento das células.

Um processo químico chamado mielinização usa o cobre, que existe em quantidade reduzida em quem tem Down, para melhorar a transmissão dos estímulos neurológicos. “Quanto melhor é a mielinização, maior e mais matura é a habilidade de aprendizado”.

Por isso, de acordo com Zan, a dieta deve ser baseada em legumes, frutas, verduras, oleaginosas, derivados do leite, ovos e peixes, com pouca proteína e pouco carboidrato.

Entre as sugestões de alimentos estão cereja, amora, couve-flor, berinjela, abacate, melão, sardinha, algas, grão-de-bico.

O médico, com mais de 40 anos de experiência, defende que alimentar-se bem não está ligado ao poder econômico. “Quando as pessoas falam em nutrição, paradoxalmente têm em mente que nutrição é caro. Não é. Nutrição é barato Mas é preciso ter consciência do que comer”.

Bebês, crianças, adolescentes e adultos com Síndrome de Down são, portanto, muito beneficiados ao comerem direito. “É necessário saber se nutrir para o desenvolvimento ideal em todos os sistemas: neuropsicomotor, imunológico, hema-tológico e intelectual”.

Organização

Foi a ausência de informações sobre alimentação voltada a pessoas com trissomia 21 que levou Marcela Garcia Fonseca a criar o blog Papinhas Fora de Série (papinhasforadeserie.com) há um ano e seis meses. O filho dela, Henrique, de 2 anos, tem a alteração genética.

“Quando comecei a cozinhar a dieta que o doutor Zan me ensinou, fiquei muito entusiasmada e achei que outras mães deveriam conhecer. Muita pouca gente sabia que existe uma dieta específica para pessoas com trissomia 21”, contou Marcela, que organizou o seminário em parceria com a Associação Equoterapia de Santos e fez uma palestra sobre papinhas.

“Este evento surgiu pela necessidade de trabalharmos a conscientização dos pais e melhorarmos a invisibilidade e promover a inclusão social das nossas crianças com Down”, destacou a presidente da Associação Equoterapia, Maria das Graças Pereira Silva.

Sempre atrás de proporcionar melhor qualidade de vida para o filho Gabriel, de 15 anos, a psicóloga Danielle Ramos de Amorim Freitas, de 42, participou do seminário. “Eu sempre tive cuidado na nutrição, mas mais especificamente quanto aos alimentos que podem dar suplemento natural não havia dado tanta atenção e agora estou adotando isso. Ele tem se sentido menos cansado e o sono tornou-se mais tranquilo”.

No evento houve ainda painéis sobre odontologia, alfabetização e projetos inovadores.