EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

20 de Maio de 2019

Ioga é o caminho para busca do equilíbrio e saúde

Prática milenar é uma ferramenta poderosa para proporcionar bem-estar físico e mental

Uma filosofia de vida que alia práticas mentais e corporais para uma vida em harmonia. É com essa abordagem que cada vez mais a ioga tem aparecido como uma ferramenta para uma vida equilibrada, promovendo envelhecimento saudável.

“Ioga é uma filosofia de vida. Não é apenas exercício. Antes, há práticas mentais, para aprender a ter ética, respeitar os outros, a não ser violento no agir”, explica a instrutora de ioga Adriana Vieira.

De acordo com ela, a diferença da ioga para qualquer outra atividade física é imensa. “Qualquer exercício, você está pensando no bem-estar físico, na estética. A ioga tem a ver com o se conhecer em primeiro lugar, o aquietamento da mente e do corpo”, cita. 

É uma prática mental, que vai beneficiar o físico, através da contemplação, do estar bem consigo mesmo, do autoconhecimento. “Você se conhece e começa a entender o que precisa para o corpo, a alma. Tem a ver com estar bem mentalmente, o resto é consequência”.

Ioga para todos

O instrutor Vinícius Rodrigues explica que a prática é um caminho de volta “ao que estamos habituados, o da união com o princípio criativo”. Segundo ele, até a física comprova esse conceito, “de que todos viemos da mesma fonte, e temos a mesma essência. O processo de voltar-se para dentro, sair da dualidade e buscar a unidade”, diz.

Para Adriana Vieira, ioga serve para todos e beneficia a todos que praticam. “Um professor muito famoso aqui no Brasil, Hermógenes, começou a praticar quando estava desenganado. Após começar a prática sozinho, foi melhorando de saúde. Ele publicou livros excelentes, falando sobre o autoconhecimento e a responsabilidade que o ioga nos traz, indicando que somos responsáveis por aquilo que escolhemos”.

Consciência do hoje

Para ela, é fundamental ter em mente: “meu corpo e minha vida vão se encaminhar de acordo com aquilo que faço hoje. O futuro tem a ver com o que estou fazendo hoje comigo”.
Entre as precauções, Adriana cita o cultivo da consciência. “Não passando do seu limite, você vai ganhando limite a cada dia. A pessoa nunca vai se machucar fisicamente. Se a gente aprende a não violência, a gente não vai passar do limite mental, não vai se criticar tanto, tendo disciplina para conseguir amanhã um pouco mais”.

Para ela, a disciplina traz esse desenvolvimento, mental e físico. “Todo dia, se fizer algo contínuo, vou estar melhor comigo mesma. Cada vez mais você vai conquistando. O ioga não é competição, é uma prática em que você vai sair melhor do que entrou. Se você sai machucado, deprimido, triste, competindo, se mostrando, você não está praticando ioga”.

Na gestação

Adriana Vieira, por exemplo, trabalha exclusivamente com a ioga para gestantes. “Também é muito benéfica, pois a mulher está mudando física e mentalmente. Ela precisa se conectar para criar um novo ser. As mulheres podem praticar após 12 semanas, até o fim da gestação”, diz.

O único conselho que dá é para que a gestante procure alguém que entenda de gestação. “Apesar de não trazer riscos nenhum, tem que ser ministrado por alguém que entenda da gravidez.” 

Segundo ela, vai melhorar a respiração da mãe, no combate a qualquer dorzinha nova, na lombar, no nervo ciático, vai passar mais oxigenação para o desenvolvimento desse bebê, também para a hora do parto. “É bem importante”, diz.