EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

15 de Dezembro de 2019

Polícia de Hong Kong ameaça disparar balas reais contra manifestantes

Louis Lau, porta-voz da corporação, reconheceu a possibilidade durante transmissão nas redes sociais

A polícia de Hong Kong ameaçou neste domingo usar "munições reais" se continuar a enfrentar manifestantes que usem "armas letais". É o primeiro alerta desse tipo desde o início dos confrontos, há quase seis meses.

"Se eles [os manifestantes] continuarem com ações tão perigosas, não teremos outra escolha senão usar a força de forma mínima, incluindo o uso de munições reais", disse o porta-voz da polícia, Louis Lau, numa transmissão em vídeo ao vivo na rede social Facebook.

Um policial foi atingido hoje na perna por uma flecha lançada por manifestantes antigoverno e pró-democracia, informaram as forças de segurança, que reforçaram a operação no local com um canhão de água.

As forças de segurança publicaram imagens no Facebook e afirmaram ter sido alvo do arremesso de tijolos, bombas incendiárias e flechas por parte de manifestantes que ainda permanecem na Universidade Politécnica de Hong Kong.

A polícia alertou que as condições estão "se deteriorando", condenou a violência dos manifestantes e recomendou à população que não se dirija para o local, lembrando que a ação dos jovens põe em perigo a vida das pessoas.

De manhã, a polícia disparou gás lacrimogêneo contra os manifestantes na Universidade Politécnica de Hong Kong, no momento em que a oposição parlamentar critica as Forças Armadas chinesas que, nesse sábado (16) retiraram escombros das ruas.

Os manifestantes, que ocuparam vários campus importantes durante a semana passada, recuaram quase por completo, à exceção de um contingente que permanece na Universidade Politécnica.

O mesmo grupo também bloqueia o acesso a um dos três principais túneis rodoviários que ligam a Ilha de Hong Kong ao resto da cidade.

O movimento começou em protesto à apresentação de uma proposta de alteração à lei da extradição, que permitiria ao governo e aos tribunais da região administrativa especial a extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios, como é o caso da China Continental.

A proposta foi formalmente retirada, mas as manifestações continuaram e reivindicam agora a realização de eleições no território, a demissão da atual chefe do Governo, Carrie Lam, uma investigação independente à violência policial e a libertação dos detidos ao longo dos protestos.

Tudo sobre: