EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

19 de Outubro de 2019

Norma põe em xeque privacidade do cidadão

Advogados analisam decreto do Governo

Órgãos do Governo Federal têm 90 dias para estabelecer regras sobre restrições e compartilhamentos de dados de cidadãos coletados por departamentos da União. O prazo consta no decreto do presidente Jair Bolsonaro (PSL) que criou o Cadastro Base do Cidadão (CBC), uma lista com informações gerais de pessoas em instituições do Executivo Nacional. 

A medida, publicada no Diário Oficial da União (DOU) na quinta-feira (10), também definiu requisitos para acesso e limitações aos registros da “base integradora” de dados pessoais de todos os brasileiros. A falta de centralização das informações com o Governo Federal, detentor da maior base de referências do País, era uma crítica comum de especialistas da área.

Promessa da campanha eleitoral de Bolsonaro, a base única de dados é defendida pela equipe governamental para disciplinar a gestão desses registros, atendendo a diretrizes da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) – que começa a vigorar em agosto de 2020. 

Conforme o decreto, a base de informações terá, inicialmente, dados biográficos já disponíveis no Cadastro de Pessoa Física (CPF). São registros como nome, data de nascimento, sexo e endereço. Ficam excluídas informações protegidas por sigilo fiscal, sob gestão da Receita Federal. 

O secretário de Governo Digital do Ministério da Economia, Luís Felipe Monteiro, explica que a ideia é ter “uma única referência de informações dos cidadãos para o governo”. 

Ele sustenta que a atual dinâmica provoca perda de tempo, impressão de papel, maior uso de pessoal e insatisfação de cidadãos, devido à burocracia.

Análise técnica

Especialistas temem que o decreto interfira na privacidade. Falta de clareza nas regras e no uso de nomenclaturas que não aparecem em outras leis de proteção de dados são as principais críticas.

Embora reconheça a importância de desburocratizar, a advogada especializada em Direito Digital e da Família Fernanda Las Casas teme que a privacidade seja violada. “As regras (do decreto) são insuficientes para garantir a segurança dos dados, pois se dispensa a autorização do titular para o compartilhamento das informações”, diz ela, que é professora da Universidade Metropolitana de Santos (Unimes). 

O também advogado especializado em Direito Digital Fábio Solito afirma que a estratégia pode tirar o poder do cidadão sobre suas informações guardadas pelo governo, o que vai na contramão do LGPD. 

“A criação da base de cadastro é importante para o desenho de políticas públicas. Afinal, as informações auxiliam no diagnóstico para a possível resolução de problemas”, reconhece. 

Dados biométricos

A medida do Governo Federal cita a coleta de dados biométricos num segundo momento. São informações como digitais dos dedos, palma da mão, íris dos olhos, formato do rosto e maneira de andar. A base, universal, será compartilhada por órgãos, a partir de níveis de restrição (veja infográfico), ampliando o acesso de instâncias públicas a dados pessoais.

Esse detalhe também provoca dúvidas de especialistas. “Apesar de não haver privacidade na internet, já que os dados podem ser acessados, creio que o governo não irá contra a regra que ele mesmo criou”, pondera o advogado especializado em Direito Digital José Roberto Chiarella, ao citar a lei para proteção de dados. 

Em países líderes em digitalização de dados públicos, como Índia e Estônia, é o cidadão que controla quais órgãos terão acesso aos dados. Contudo, a legislação brasileira foi baseada na regra do Mercado Comum Europeu (Zona do Euro), que garante privacidade e proteção de dados pessoais apenas em nível privado.

Tudo sobre: