EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

11 de Dezembro de 2019

Delta Tankers diz que não há evidências de que navio vazou petróleo no Brasil

Empresa é dona do navio-tanque NM Bouboulina, apontado como principal suspeito de derramar óleo que atinge praias do litoral Nordestino

A Delta Tankers, dona do navio-tanque NM Bouboulina, apontado como o principal suspeito de ter derramado o óleo que desde o fim de agosto atinge o literal do Nordeste, afirmou que não há evidências de que a embarcação tenha parado ou transferido petróleo para outra embarcação durante seu percurso entre a Venezuela e Melaka, na Malásia. A empresa se manifestou por meio de nota, divulgada em seu site neste sábado (2).

Segundo o posicionamento, a companhia "realizou uma pesquisa completa do material nas câmeras e sensores que todos os navios carregam como parte de sua segurança e políticas ambientais, para monitorar as atividades a bordo, as atividades ao lado da embarcação, bem como as alternâncias de curso, paradas, velocidade etc". Segundo a empresa, nenhuma irregularidade foi encontrada.

A empresa afirmou que todo o material será entregue às autoridades brasileiras, caso a companhia seja procurada. "Até agora, esse contato não foi feito", acrescentou a empresa.

Por fim, a Delta Tankers reiterou que a embarcação partiu da Venezuela em 19 de julho e foi direto para Melaka, "onde descarregou toda a carga sem qualquer falta".

Após um rastreamento por satélites, a Procuradoria da República no Rio Grande do Norte e a Polícia Federal apontam que o NM Bouboulina, de bandeira grega carregado de petróleo venezuelano, é o principal suspeito de ser a fonte do óleo que tem aparecido em várias praias nordestinas. Para obter mais provas, a PF deflagrou na sexta-feira (1), a Operação Mácula, mirando em empresas que estariam ligadas ao petroleiro no Brasil.

A representação do MPF do Rio Grande do Norte, assinada pelos procuradores Victor Manoel Mariz e Cibele Benevides Guedes da Fonseca, diz que há "fortes indícios" de que a Delta Tankers, o comandante do navio mercante e a tripulação deixaram de informar às autoridades acerca do derramamento de petróleo cru no Atlântico.

Tudo sobre: