EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

10 de Agosto de 2020

Webinar Porto & Mar: Pandemia enseja avanço da tecnologia

Momento pode provocar mudanças positivas nos portos, avaliou presidente da Associação Mundial de Infraestrutura de Transporte Aquaviário durante terceira edição do evento, realizado pelo Grupo Tribuna

A pandemia de Covid-19 afeta portos em todo o mundo, mas também representa uma janela de oportunidades para mudanças de procedimentos, principalmente com a maior utilização de tecnologias. Também mostra que é necessário preparar as operações portuárias para períodos de contingenciamento como este. 

A opinião é do presidente da Associação Mundial de Infraestrutura de Transporte Aquaviário (Pianc), Francisco Esteban Lefler. Os impactos da pandemia de Covid-19 nos portos brasileiros foram tema do 3º webinar Porto & Mar, realizado nesta quarta-feira (13) pelo Grupo Tribuna

Segundo Lefler, as rotinas de logística foram seriamente afetadas pela pandemia. No entanto, as operações são mantidas, principalmente, pelas demandas de trocas comerciais. 

“Alguns países têm necessidade de importar certos produtos e outros de exportar outros tipos de mercadorias, como medicamentos e alimentos essenciais. Houve uma mudança na logística, com a diminuição de caminhões”, destacou. 

Segundo o executivo, a Pianc faz levantamentos e relatórios semanais sobre o que está acontecendo nos complexos portuários. E, neste momento, os portos europeus são os mais afetados, principalmente, os italianos. “Há impactos diferente de lugar pra lugar e de porto para porto”.

Para Lefler, além da pandemia de Covid-19, que tem afetado as trocas comerciais em todo o mundo, ainda há outras crises paralelas. Entre elas, as oscilações no preço do petróleo. Por isso, os portos deverão estar preparados e resilientes para enfrentar os próximos desafios. 

Oportunidades 

Mas, apesar de todas as adversidades, a situação traz ensinamentos. Isto porque os investimentos em prevenção são muito menores do que os valores gastos na solução de problemas causados por crises, como eventos relacionados às mudanças climáticas. 

“Há algumas lições temos que aprender. Uma delas é que uma pandemia tem que estar incluída no plano de contingência do porto”, destacou o presidente da Pianc.

Neste contexto, segundo o executivo, a solução deve ser debatida entre os portos e suas cadeias logísticas. “No geral os portos são preparados para epidemias e problemas de saúde, mas na escala global é a primeira vez que isso acontece. Por ser um evento completamente novo, nós podemos analisá-lo”. 

Para Lefler, a pandemia abre uma janela de oportunidades. Entre elas, está o aumento da utilização de tecnologia. 

“Os portos vão ter que olhar para as suas histórias e entender cada uma funciona. Alguns são mais relutantes em aberturas tecnológicas, mas é um processo inevitável”, afirmou o presidente da Pianc. 

O executivo acredita que este é o momento ideal para que os complexos portuários brasileiros se espelhem em exemplos bem sucedidos, principalmente de portos internacionais. A ideia é garantir operações cada vez mais seguras e eficientes. 

Para Lefler, o aumento de utilização de tecnologias como internet das coisas e blockchain nos portos brasileiros será realidade em breve. Isto será possível porque depende apenas de investimentos de operadores e não de autorizações ou licenças. “Acredito que o processo de digitalização será rápido”.

Tudo sobre: