EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

17 de Julho de 2019

'Há um mês, éramos a escória do mundo', diz Hernanes ao mirar título no São Paulo

Recuperado de lesão na coxa esquerda, o meia de 33 anos tenta recuperar o ritmo de jogo

O meia Hernanes afirma que o título paulista traria um gás para o restante da temporada do São Paulo após as dificuldades enfrentadas pelo time no começo do ano. Depois da eliminação precoce na fase preliminar da Libertadores, diante do Talleres, da Argentina, o São Paulo viveu um período de crise que culminou com a saída do técnico André Jardine, hoje na seleção brasileira sub-20. Domingo, o time decide o Paulistão com o Corinthians, na arena do rival, no clássico que começa às 16 horas. 

"Se a gente pensar um pouco, há um mês, éramos a escória do mundo. Agora, vamos poder disputar um jogo importante e podemos gravar o nome na história do São Paulo. Isso é para mostrar como a vida e o futebol são dinâmicos e como não podemos desistir nunca. O título daria uma grande confirmação de que o que fizemos até aqui é certo. Daria um gás para o restante do ano", disse Hernanes em entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira no CT da Barra Funda. 

Recuperado de lesão na coxa esquerda, o meia de 33 anos tenta recuperar o ritmo de jogo. Na última terça-feira, ele participou de um jogo-treino diante do São Caetano ao lado dos jogadores reservas e dos reforços que não puderam ser inscritos no Paulistão, como Alexandre Pato, Vitor Bueno e Tchê Tchê.

Neste domingo, ele deve ser utilizado no lugar de Liziero, que está com uma alteração muscular na coxa esquerda e é dúvida para a decisão. "A posição que eu entrei foi a que o Liziero desempenhou. O que muda é somente a interpretação minha e a dele Ele tem uma característica mais de toque de bola, de armação de jogada, que também tenho. Mas a minha característica principal é a de chute de fora da área. Então, me aproximo um pouco mais do gol. Mas a posição de fato não mudou, porque o time estava no 4-3-3", analisou Hernanes.


O jogador de 33 anos reconhece que ainda não está com a condição física ideal depois de ter ficado um mês fora. "Quanto à condição física, a semana ajuda mas não é o suficiente. Foram quatro semanas sem jogar, e ainda sem poder treinar em alto nível. A condição vai melhorar, com certeza. Mas somente os jogos e um pouco mais de jogos permitirão que eu alcance os 100% Estamos melhorando, evoluindo", afirmou.