EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

19 de Agosto de 2019

Com o retorno de nove atletas emprestados, Santos tenta enxugar folha salarial

Juntos, eles representam um aumento de mais de R$ 1 milhão por mês nas despesas do Peixe

A temporada de 2018 não terminou, mas o Santos já começa a pensar em 2019. Os primeiros planos, no entanto, não são animadores para o torcedor, pois estão centralizados no retorno de nove jogadores emprestados e que não devem ser aproveitados. Pior: juntos eles irão representar mais de R$ 1 milhão em despesas por mês aos cofres do clube.

São eles: Fabián Noguera, que volta do Estudiantes, da Argentina, Cléber Reis, do Paraná, Orinho, da Ponte Preta, Romário, do Ceará, Matheus Ribeiro, do Puebla, do México, Rafael Longuine, do Guarani, Leandro Donizete, do América-MG, Matheus Oliveira, do Grêmio, e Rodrigão, do Avaí. 

Com exceção de Noguera, que tem os salários mensais de R$ 120 mil custeados integralmente pela equipe argentina, todos os demais recebem 50% dos honorários do Santos. Ou seja, o Peixe gasta R$ 675 mil por mês com esses atletas. Os outros 50% são pagos pelos respectivos clubes. 

Diante desses retornos, a partir de janeiro as despesas do Santos com esse grupo de jogadores passarão a ser de R$ 1.350 milhão por mês. Atualmente, o Peixe gasta cerca de R$ 4.9 milhões com o elenco profissional, incluindo os honorários da comissão técnica.   

Conforme o apurado por A Tribuna On-line, somente Matheus Oliveira e Rafael Longuine despertam interesse de outros clubes para a próxima temporada. Ainda assim, nos mesmos moldes de 2018: com o Santos pagando metade dos salários. 

Dores de cabeça

Mas as situações que mais causam dor de cabeça no Comitê de Gestão do Peixe envolvem os nomes de Leandro Donizete e Cléber Reis. O volante que defende o América-MG neste Campeonato Brasileiro tem salário mensal de R$ 300 mil, enquanto o zagueiro emprestado ao Paraná recebe R$ 250 mil. 

Juntos, eles inflacionam a folha de pagamentos do Peixe em mais de meio milhão. 

Outro jogador que é visto como um peso econômico para a cúpula alvinegra é o lateral-esquerdo Romário. Contratado do Ceará, o atleta recebe R$ 120 mil e tem vínculo até dezembro de 2022.

O mesmo salário é pago para Noguera, Longuine e Rodrigão. Orinho, Matheus Oliveira e Matheus Ribeiro recebem R$ 80 mil, cada.