Surfe adaptado e competição por equipes são atrações em torneio no Litoral Norte

As competições estão previstas para acontecer entre os dias 30 de novembro e 3 de dezembro

O surfe adaptado será uma das atrações do Surf Trip apresenta o 1° Quiksilver Estadual de Clubes e o 1º Quiksilver Estadual de Categorias de Base. Está previsto para acontecer no segundo dia de evento, antes das finais da categoria feminina. O evento acontece na praia de Camburi, no Litoral Norte, entre 30 de novembro e 3 de dezembro. O surfe adaptado será comandado pelo surfista Otaviano "Taiu" Bueno.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal, GloboPlay grátis e descontos em dezenas de lojas, restaurantes e serviços!

"Eu fico feliz e honrado de fazer parte deste novo momento do surfe paulista e brasileiro, sempre contando com outras pessoas que trabalham e representam o surfe adaptado. Vamos nos unir e fazer um bom trabalho", disse Taiu.

O surfista, após um acidente na praia de Paúba em 1991, aos 29 anos, ficou tetraplégico, e até hoje é considerado um dos grandes 'big riders' (surfista de ondas grandes) do mundo. Em 2010 Taiu voltou a praticar o surfe usando pranchas adaptadas.

"O surfe adaptado é uma modalidade que vem crescendo pelo mundo nos últimos quatro anos, principalmente pelos eventos mundiais realizados pela ISA desde 2016. O Brasil tem diversos atletas de ponta e alguns campeões mundiais. Vai ser uma ótima oportunidade para essa categoria crescer e dar visibilidade para muitas pessoas, que talvez nem imaginassem que seria possível surfar novamente ou mesmo competir num evento. Será um grande incentivo", comenta Taiu.

O surfista teve uma carreira brilhante entre 1975 e 1991, quando sofreu o acidente. Em 1983, conquistou o 7º lugar no Pro ClassTrials, em Sunset Beach, e em 1984 sagrou-se campeão brasileiro.

Além do surfe adaptado, as competições do Surf Trip apresenta o 1° Quiksilver Estadual de Clubes e o 1º Quiksilver Estadual de Categorias de Base terá também o título por equipes, uma novidade desta fase do surfe paulista, que segue o modelo australiano, o que trará mais espírito de equipe e união entre os atletas. Além disso, o sistema de baterias será o fast heat, de dez minutos e as duas melhores ondas, exigindo mais dinamismo dos atletas dentro d’água. 

O evento acontece durante a semana, e seguirá estritamente os protocolos de saúde determinados pelo Governo do Estado de São Paulo, como distanciamento social, aferição de temperatura de todo o staff e atletas, distribuição de máscaras e vai disponibilizar álcool em gel.

Outras atrações
Além do surfe adaptado, outra novidade imperdível preparada pela organização é a categoria Surf Dog. Uma demonstração dos cães surfistas que vai prender a atenção do público. O objetivo é conscientizar a população sobre várias causas relacionadas aos animais, como maus-tratos e a importância da adoção de cães abandonados.

Também haverá apresentação da modalidade Waveski, uma prancha que adota muitos princípios das atuais pranchinhas de surfe. Um mix de prancha com caiaque. O equipamento conta com um grande volume concentrado na rabeta (garantindo a flutuação necessária), um assento e um cinto que fixam o praticante à prancha. O remo de duas pás completa a lista. As apresentações vão ocorrer no dia 1º de Dezembro, antes das finais da categoria feminina. Todos os dias serão anunciados campeões.

Tudo sobre: